Última hora

Última hora

Mercados: Mais uma semana que começa o vermelho nas praças amarelas

As bolsas chinesas prosseguem, esta segunda-feira, as fortes quedas registadas na primeira semana do ano

Em leitura:

Mercados: Mais uma semana que começa o vermelho nas praças amarelas

Tamanho do texto Aa Aa

As bolsas chinesas prosseguem, esta segunda-feira, as fortes quedas registadas na primeira semana do ano.

O índice Xangai Composite encerrou a perder 5,33%, nos 3016.70 pontos – o nível mais baixo desde setembro do ano passado. A bolsa de Shenzhen recuou, quanto a ela, 6,60%.

Os investidores continuam pessimistas quanto à saúde da segunda maior economia mundial, depois da publicação de indicadores pouco favoráveis, durante o fim de semana.

Os preços na produção continuaram a cair, no mês de dezembro – 5,9%, prosseguindo as quedas a 46 meses -, e mais do que o esperado.

Já o índice de preços ao consumidor subiu 1,6% – em linha de conta com as expectativas.

Os dados relativos ao comércio externo e, mais concretamente, às exportações, serão divulgados esta semana – e os analistas preveem quedas da ordem dos 8%.

Na próxima semana serão conhecidos o PIB do ano passado e o crescimento da economia no quarto trimestre.

Em queda estão também os mercados financeiros russos, arrastados pela baixa do preço do petróleo e pelas sanções impostas a Moscovo, devido à crise na Ucrânia.

O RTS recuou, em início de sessão, mais de 4%. Este índice, que se negocia em dólares, é extremamente sensível às flutuações do rublo, que descia, esta segunda-feira, para valores de há mais um ano face ao dólar.

O dólar ultrapassou os 76 rublos e o euro os 83, pela primeira vez desde dezembro de 2014.

Menos sensível às flutuações da moeda russa, o Micex, que só negocia em rublos, perdia, mesmo assim, 2,29%.

As bolsas europeias continuam suspensas ao que se passa no oriente e iniciaram a semana com ligeiras perdas – menos de 1%. Portugal não foge à regras, Lisboa abriu a perder 0,35%, arrastada pela Galp, influenciada pelas quedas a pique – tanto em Londres, como em Nova Iorque, do preço do petróleo.