Última hora

Última hora

Fim da linha para o homem mais procurado da Europa

A 13 de novembro, ao contrário dos outros terroristas, Salah Abdeslam não se fez explodir e quis escapar com vida.

Em leitura:

Fim da linha para o homem mais procurado da Europa

Tamanho do texto Aa Aa

Salah Abdeslam era o único sobrevivente entre os executantes dos atentados do dia 13 de novembro em Paris e era, desde essa altura, o homem mais procurado da Europa.

Sabe-se que foi, provavelmente, o responsável pela logística dos atentados. Foi ele que, num Renault Clio preto, deixou no Stade de France três terroristas que acabariam por se fazer explodir. Foi no mesmo automóvel que passou por uma estação de serviço perto de Paris dois dias antes dos atentados, na companhia de um cúmplice. As imagens captadas pelas câmaras de vigilância desta estação são as últimas de Abdeslam.

Sabe-se que esse carro foi abandonado na capital francesa e que pediu a dois cúmplices na Bélgica que o viessem buscar. Ao contrário dos outros implicados no atentado, incluindo o irmão Brahim, Salah Abdeslam quis escapar com vida e não fez explodir o cinto de explosivos que tinha com ele. Foi deixado, na manhã de 14 de novembro, no bairro de Schaerbeek, em Bruxelas e, desde então, nunca mais tinha sido visto.

A notícia da captura de Abdeslam foi dada, no Twitter, pelo ministro belga da imigração, Théo Francken, com uma simples frase: “Apanhámo-lo”.