Última hora

Última hora

Atentado em Istambul: Três israelitas entre os 5 mortos cria dúvidas no alvo do bombista

Três israelitas e um iraniano morreram este sábado em Istambul, na Turquia, na sequência de um atentado através de um bombista suicida. A explosão

Em leitura:

Atentado em Istambul: Três israelitas entre os 5 mortos cria dúvidas no alvo do bombista

Tamanho do texto Aa Aa

Três israelitas e um iraniano morreram este sábado em Istambul, na Turquia, na sequência de um atentado através de um bombista suicida. A explosão aconteceu pelas 11 da manhã, hora local, e o balanço foi fixado nos 5 mortos, incluindo o suicida, e pelo menos 39 feridos, 24 deles estrangeiros, afirmou o ministro turco da Saúde, Mehmet Müezzinoğlu. Sete dos feridos ficaram em estado crítico.

O primeiro-ministro de Israel reagiu ao sucedido em Istambul a meio da tarde após uma reunião de emergência. Benjamin Netanhyahu admitia, na altura, conhecimento da morte de apenas dois israelitas, com hipótese de haver também um terceiro, e afirmou que o caso estava a ser investigado para se apurar se o alvo seriam os cidadãos israelitas.

O chefe de Governo hebraico adiantou haver indícios de que poderia estar o “Daesh”, o grupo autoproclamado Estado Islâmico, na origem deste atentado. Netanyahu avisou ter sido implementado um alerta para quem pretende viajar para a Turquia, onde no espaço de uma semana aconteceram dois atentados terroristas, refrindo-se ao de Ancara, no domingo.

Para o governo turco, as suspeitas da autoria do ataque deste sábado apontam, por outro lado, para grupos extremistas curdos próximos do grupo terrorista Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). O ataque do último domingo, em Ancara, foi reivindicado pelo grupo Falcões da Liberdade do Curdistão, mas o deste sábado mantém-se, contudo, sem ser reivindicado.

Está em curso uma investigação, porém, focada num alegado membro do “Daesh” já conhecido das autoridades turcas e identificado pela agência Doğan como Savaş Y., de 33 anos. Uma amostra de sangue foi recolhida junto do pai deste indíviduo para cruzar com o ADN do bombista suicida.

(Amostra de ADN retirada do pai de um suspeito do “Daesh”/ ISIL usada na investigação ao ataque suicida de Istambul.)

Uma testemunha contou ao correspondente da euronews na Turquia ter ouvido “uma explosão”. “Houve um enorme barulho e ficou um grande buraco na estrada. Aproximadamente, 25 a 30 pessoas ficaram deitadas no chão. Depois, a polícia chegou e nós abandonámos o local. Eu estava com medo. Em termos psicológicos, foi terrível”, afirmou a nossa testemunha, sob anonimato.

O governo turco proibiu aos meios de comunicação nacionais a difusão de imagens do local do atentado. As forças políticas da oposição ao governo de Ahmet Davutoglu e REcep Tayyp Erdogan, incluindo o apoiante dos curdos, o Partido Democrático dos Povos (HDP), já condenaram o sucedido em Istambul.

O correspondente da euronews, Bora Bayraktar, esteve na zona onde se deu a explosão e registou o medo que se sente nas ruas: “Apesar de todas as medidas de segurança, este último ataque terrorista aconteceu no centro de Istambul. O medo agrava-se. Com os rumores nas redes sociais de novos ataques, a maior parte dos habitantes de Istambul mantém-se em casa.”

(Altos responsáveis israelitas vão deslocar-se à Turquia na sequência do ataque terrorista de Istambul.)