Última hora

Última hora

Atentados em Bruxelas: Quatro detidos em 13 operações policiais

Quatro pessoas encontravam-se este domingo detidas pelas autoridades belgas depois de uma série de operações levadas a cabo no quadro da investigação dos atentados de Bruxelas

Em leitura:

Atentados em Bruxelas: Quatro detidos em 13 operações policiais

Tamanho do texto Aa Aa

Segundo a justiça federal belga, 4 pessoas encontravam-se detidas este domingo depois de 13 operações antiterroristas levadas a cabo em diferentes zonas do território.

As intervenções tiveram lugar 5 dias depois dos atentados jihadistas de Bruxelas e do aeroporto de Zaventem e que deixaram 28 mortos e centenas de feridos, tendo sido posteriormente reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico (EI) ou Daesh, pela sigla em língua árabe.

As operações da polícia belga tiveram lugar nas localidades de Malines e Duffel, na região da Flandres (norte). Outras operações, cerca de 8, ocorreram em diferentes bairros de Bruxelas.

Um suspeito de planear um atentado em solo francês foi detido dia 25 de março pelas autoridades belgas.
Abderamane Ameuroud foi ferido com um disparo numa paragem de metro no bairro de Schaerbeek, em Bruxelas.

As autoridades relacionam-no com Reda Kriket, um primeiro suspeito detido pela polícia francesa na passada quinta-feira (24), na localidade de Argenteuil, a noroeste de Paris. Kriket, de 34 anos, tinha em casa explosivos e armas pesadas.

Segundo a televisão pública francófona RTBF, Ameuroud foi cúmplice do assassínio de Ahmad Shah Massud em 2001, um combatente anti-Talibã e membro da Aliança do Norte, pouco antes do 11 de setembro.

Entretanto, em Itália, a polícia deteve um cidadão argelino, suspeito de formar parte de uma rede de falsificadores de documentos utilizados pelos autores dos atentados de novembro em Paris e de Bruxelas, esta semana.

Jammal Eddine Uali tinha uma ordem de busca e captura emitida em janeiro pelas autoridades belgas.

À medida que a investigação das autoridades francesas e belgas avança, a ligação entre os ataques parece cada vez mais clara.

A Procuradoria Federal belga acusou este sábado Fayçal Cheffou de responsabilidade pelo atentado no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas.

Os media belgas dizem que se trata do homem de chapéu que foi visto nas imagens gravadas pelas câmaras de segurança do aeroporto. A informação não tinha sido, até ao final da tarde deste domingo, confirmada pelas autoridades.

Os outros dois suspeitos, ambos mortos durante a explosão no aeroporto seriam Ibrahim El Bakraoui e Najim Laachraoui.

A mala de Cheffou transportaria a maior quantidade de explosivos, mas não chegou a acionar-se, momento em que o suspeito teria aproveitado para fugir do interior do edifício.

Dois dias mais tarde, Fayçal Cheffou foi detido no centro de Bruxelas, perto do Ministério da Justiça belga.