Última hora

Segurança em França: Há erros a corrigir no Euro e 23 mil agentes para o Tour

A França tem em mãos nos próximos dois meses uma enorme operação para garantir a segurança do Euro’2016, que arranca a 10 de junho, e da 103.

Em leitura:

Segurança em França: Há erros a corrigir no Euro e 23 mil agentes para o Tour

Tamanho do texto Aa Aa

A França tem em mãos nos próximos dois meses uma enorme operação para garantir a segurança do Euro’2016, que arranca a 10 de junho, e da 103.a edição do Tour, que sai para a estrada a 2 de julho, ainda com o Europeu de futebol em curso por mais uma semana. Dois eventos desportivos internacionais que decorrem “num contexto especial de risco elevado de terrorismo.”

allviews Created with Sketch. Point of view

"As avaliações estão em curso para percebermos se é necessário, aqui ou ali, elevar o nível de controlo."

Bernard Cazeneuve Ministro do Interior de França

Esta terça-feira, o ministro do Interior, revelou a mobilização de 23.000 agentes de autoridade para assegurar a Volta a França em bicicleta, mas Bernard Cazeneuve admite que ainda há problemas a corrigir e sublinhou que o país “deve estar extremamente vigilante (…) face a um inimigo determinado e que pode atuar a qualquer momento.”

No último sábado, a França realizou e fracassou no derradeiro teste real ao dispositivo de segurança em preparação para os estádios do Euro de futebol. O recinto de Saint-Denis foi um dos alvos dos ataques terroristas do passado dia 13 de novembro, em Paris, vai receber sete jogos do Europeu e a final da Taça de França em futebol revelava todos os ingredientes para testar o dispositivo de segurança do torneio da UEFA.

Os adeptos do Marselha e do Paris Saint-Germain, os dois clubes em disputa do troféu, conseguiram introduzir no “Stade de France” tochas e no decorrer do jogo foram visíveis pequenos incêndios nas bancadas do recinto, onde 80 mil pessoas assistiram ao triunfo (4-2) dos parisienses. Foram ainda vistos nas bancadas capacetes de moto, garrafas de vidro e tubos de PVC, o que prova que o dispositivo de controlo de entradas e de acessos ao estádio falhou.

“As avaliações estão em curso para percebermos se é necessário, aqui ou ali, elevar o nível de controlo”, afirmou esta terça-feira, Cazeneuve, tendo por base os “problemas disfuncionais” registados no sábado. O ministro garantiu que “todos estes eventos foram alvo de uma preparação minuciosa em termos de segurança” e isso já terá permitido uma organização bem-sucedida da (cimeira) COP21 e do Festival de Cannes.”

“A preparação do Euro prossegue no mesmo espírito”, garantiu o ministro, revelando ter já convocado os organizadores do torneio para “examinar as medidas que deverão ser implementadas para corrigir os erros verificados” sábado no Estádio de França.

Quanto à Volta a França em bicicleta, se no ano passado, seis meses após o ataque terrorista contra o jornal satírico Charlie Hebdo, já foram muitos os agentes de autoridade vistos nas bermas das estradas por onde passou a corrida, este ano serão ainda mais, entre elementos da “gendarmerie” (uma força policial militar similar à Guarda Nacional Republicana, em Portugal, ou as polícias militares estaduais, no Brasil), da polícia normal e das forças especiais da “gendarmerie”, a GIGN.

“Posso anunciar a presença de 23.000 ‘gendarmes’ e agentes da polícia ao longo dos percursos para garantir a segurança da Volta a França. Pela primeira vez, pedimos ao GIGN para acompanharem o Tour, ao longo de toda a prova, e para estarem prontos a intervir a qualquer momento, se tal for necessário”, anunciou Bernard Cazeneuve.

O Tour é acompanhado a cada ano por cerca de 10 a 12 milhões de espetadores. É considerado o terceiro maior evento desportivo do mundo, emitido pela televisão em cerca de 190 países, com a cobertura efetuada por 2000 jornalistas a ser acompanhada por cerca de 3,5 milhões de telespetadores.