Última hora

Em leitura:

Livreiro de Hong Kong revela que foi interrogado na China durante 8 meses

mundo

Livreiro de Hong Kong revela que foi interrogado na China durante 8 meses

Publicidade

Depois de meses desaparecido em circunstâncias misteriosas, livreiro de Hong Kong revela que foi “sequestrado” e interrogado pelas autoridades chinesas, motivando novos protestos contra Pequim.

Apenas dois dias depois de ser libertado, Lam Wing-Kee convocou uma conferência de imprensa para denunciar os oito meses de interrogatório a que foi submetido:

“Se ficarmos silenciosos, se eu – o menos vulnerável dos cinco livreiros – ficar silencioso, Hong Kong perderá a esperança. [É preciso] dizer a todo o mundo que este incidente não me afeta apenas a mim e à minha livraria. […] O povo de Hong Kong não deve inclinar-se perante o poder”.

O livreiro explicou que ele e outros quatro colegas foram detidos e transportados para a China continental, com o aval das autoridades de Hong Kong. As revelações motivaram protestos junto à embaixada chinesa em Hong Kong:

“Dizer a verdade num período tão sombrio não é fácil. A integridade [de Lam Wing-Kee], os valores que defende e a sua coragem inspiram o povo de Hong Kong”.

Os cinco livreiros “desaparecidos” no fim do ano passado trabalhavam todos com a “Mighty Current”, uma editora especializada em obras acerca da vida privada dos dirigentes chineses e das intrigas políticas na elite governante.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte