Última hora

Em leitura:

A visita em silêncio do Papa Francisco a Auschwitz

mundo

A visita em silêncio do Papa Francisco a Auschwitz

Publicidade

O silêncio profundo e o recolhimento: foi assim a visita do Papa Francisco aos campos de Auschwitz e Birkenau, na Polónia, o local onde mais de um milhão de pessoas foram exterminadas durante a Segunda Guerra Mundial.

A primeira passagem do Sumo Pontífice por este país, onde ficará até domingo, justifica-se pelas Jornadas Mundiais da Juventude que decorrem em Cracóvia. À semelhança de João Paulo II e Bento XVI, Francisco quis prestar homenagem às vítimas do Holocausto. Mas não com palavras, em oração.

O Santo Padre rezou no Bloco 11, onde os soldados nazis anunciavam os nomes dos condenados à morte. Foi recebido pela primeira-ministra polaca, Beata Szydlo, cuja história de vida pessoal está profundamente ligada a estes campos da morte, onde perdeu vários familiares. Encontrou também uma dezena de sobreviventes da Shoah e rezou junto ao muro onde decorriam os fuzilamentos.

Francisco recordou também o sacerdote Maximiliano Kolbe, que se ofereceu para tomar o lugar de um pai de família e morrer em sua vez. O Papa orou na cela onde Kolbe faleceu.

À chegada ao campo de Birkenau, ouviu o cântico do salmo 130 em hebreu. Num “mundo em guerra”, como afirmou após o ataque e a morte violenta de um padre católico no norte de França, o Papa fez questão de agraciar os chamados “25 Justos”, cidadãos não-judeus que ajudaram a salvar judeus do jugo nazi.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte