Última hora

Donald Trump diz ter tudo sob controlo, líderes republicanos querem uma mudança

Os líderes republicanos estão em pânico dada a impossibilidade de controlarem o seu candidato à Casa Branca, Donald Trump, de quem exigem uma mudança radical.

Em leitura:

Donald Trump diz ter tudo sob controlo, líderes republicanos querem uma mudança

Tamanho do texto Aa Aa

Os líderes republicanos estão em pânico dada a impossibilidade de controlarem o seu candidato à Casa Branca, Donald Trump, de quem exigem uma mudança radical.

De acordo com a NBC, o presidente do Comité Nacional Republicano (RNC) Reince Priebus, o ex-presidente de Nova York, Rudy Giuliani, e o ex-presidente da Câmara dos Representantes, Newt Gingrich, são alguns dos mais influentes republicanos que estão a tentar convencer Trump a “reiniciar” a sua campanha.

Mesmo após um somatório de aparições e comentários desastrosos, o magnata afirmou, esta quarta-feira, na Florida, que está tudo sob controlo.

“Só quero dizer que a campanha está a ir muito bem. Nunca estivemos tão unidos. Começamos em 16 de junho; e eu diria que agora é o melhor momento, em termos de união, desde que começámos. Estamos a avançar incrivelmente bem. Somos líderes no Estado da Florida, vocês viram as sondagens,” afirmou Donald Trump na Florida

Na ocasião, o candidato republicano chegou mesmo a dizer que a candidata democrata, Hillary Clinton, era fundadora do ISIS: “Vocês vejam o que se passa, perecemos uma nação do terceiro mundo, o crime está de volta. Vocês vêem o que se passa com a polícia. Olhem para Orlando, olhem para San Bernardino, olhem para o World Trade Center. Observem o que se passa, e também a nível mundial. Nós deixámos o ISIS ganhar esta posição. Foi Hillary Clinton. Eles deviam de lhe entregar o prémio de fundadora do ISIS.”

Ainda na Terça-feira, Priebus revelou a Trump a sua frustração, e de muitos doadores, perante a campanha e, em particular, a forma como o magnata tratou os pais muçulmanos de um soldado norte-americano morto Iraque.

Mas a gota de água que fez entornar o copo de Priebus, e muitos republicanos, foi a recusa de Trump em apoiar o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, que este mês enfrenta uma eleição primária no Estado de Wisconsin para ser reconduzido no cargo.