This content is not available in your region

Rebeldes sírios e forças pró-Assad preparam batalha crucial por Alepo

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
Rebeldes sírios e forças pró-Assad preparam batalha crucial por Alepo

<p>Rebeldes sírios e forças pró-regime<br /> fizeram avançar para zona de Alepo milhares de homens, segunda-feira, em preparação de uma batalha crucial pelo controlo da segunda maior cidade síria.</p> <p>No sábado, os insurgentes conseguiram derrubar o cerco que os pró-Assad impunham à parte leste da cidade.</p> <p>No domingo, forças pró-regime, apoiadas pela força aérea russa, tentaram recuperar o território e as importantes linhas de abastecimento que, entretanto, tinham perdido.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">The battle for Syria's Aleppo just went through a chaotic 48 hours <a href="https://t.co/i4Aqtitv5L">https://t.co/i4Aqtitv5L</a> <a href="https://t.co/6EJSMCmsIk">pic.twitter.com/6EJSMCmsIk</a></p>— <span class="caps">VICE</span> News (@vicenews) <a href="https://twitter.com/vicenews/status/762717677983043584">August 8, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>“O que foi alcançado (em Alepo) é quase um milagre, porque os nossos combatentes não enfrentam apenas o regime sírio, eles também enfrentam as milícias, o Hezbollah, as milícias iranianas e a Rússia. Se a comunidade internacional está pronta para a transição política, nós estamos mais do que prontos para fazer isso. Mas essa prontidão, essa seriedade, tem de ser mostrada em ações, não só em palavras,” declarou o presidente da Coligação Nacional Síria.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">The Syrian National Coalition elects new president: Anas al-Abdah. <a href="https://t.co/VYld4zafdY">pic.twitter.com/VYld4zafdY</a></p>— Zaid Benjamin (@zaidbenjamin) <a href="https://twitter.com/zaidbenjamin/status/706158517862998017">March 5, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Quando os rebeldes conseguiram derrubar o cerco a Alepo, no sábado, muitos habitantes vieram para rua celebrar.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Rebel offensive in Syria challenges government siege of Aleppo <a href="https://t.co/XnICWJiSGa">https://t.co/XnICWJiSGa</a> <a href="https://t.co/D3g4Sf83YI">pic.twitter.com/D3g4Sf83YI</a></p>— New York Times World (@nytimesworld) <a href="https://twitter.com/nytimesworld/status/762509115151126528">August 8, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Entretanto, cerca de 2.000 combatentes pró-régime, sírios, iranianos, iraquianos e membros do Hezbollah libanês chegaram a Alepo, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos,</p> <p>Segundo a mesma fonte, os rebeldes receberam o reforço de combatentes uigures chineses.</p> <p>A batalha de Alepo é de grande importância para as partes em conflito e para os seus aliados no exterior. Rússia e Irão apoiam o regime do presidente Bashar al-Assad, enquanto o Ocidente, a Turquia e Arábia Saudita apoiam os rebeldes.</p> <p>A guerra na Síria, iniciada em março de 2011 após a repressão de protestos pacíficos pró-democracia, tornou-se mais complexa com o envolvimento de forças internacionais e grupos jihadistas.</p> <p>O conflito na Síria já custou a vida a mais de 290.000 pessoas, provocou a fuga de mais da metade da população e causou um terrível crise humanitária.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="it" dir="ltr">Siria, decine di famiglie lasciano Aleppo tramite corridoi umanitari <a href="https://twitter.com/hashtag/Siria?src=hash">#Siria</a> <a href="https://t.co/85oDGnFY51">https://t.co/85oDGnFY51</a> <a href="https://t.co/gTG5Ks5G6i">pic.twitter.com/gTG5Ks5G6i</a></p>— Tgcom24 (@MediasetTgcom24) <a href="https://twitter.com/MediasetTgcom24/status/759398244229283840">July 30, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>