Última hora

Em leitura:

O apelo do Cazaquistão para um mundo sem armas nucleares

focus

O apelo do Cazaquistão para um mundo sem armas nucleares

Publicidade

No Cazaquistão, os testes nucleares do passado deixaram marcas em mais de um milhão de pessoas. Experiências de vida dramáticas que se tornaram agora parte do corajoso apelo deste país para a erradicação das armas nucleares a nível mundial.

Um mundo livre de armas nucleares – há quem garanta que já foi uma ideia menos utópica. O Cazaquistão tem-se destacado como um país particularmente ativo nas campanhas de erradicação de arsenal atómico.

Astana organizou recentemente um encontro intitulado Building a Nuclear-Weapon-Free World, precisamente sob a temática da desnuclearização, por ocasião do 25o. aniversário do encerramento do famigerado centro de Semipalatinsk, no norte do país, aquele que era o maior espaço de testes nucleares da União Soviética.

É ou não possível eliminar este tipo de armamento? O presidente cazaque diz-se otimista. “Seria o apocalipse se um conflito nuclear fosse desencadeado agora. Tudo o que conhecemos arriscaria ser destruído. Não acredito que haja alguém no mundo que não concorde com este argumento. Por isso, temos de ser otimistas, porque é o otimismo que nos faz querer viver, que nos faz criar os nossos filhos e netos e afastar a possibilidade de uma guerra nuclear. Este tipo de encontros destina-se a assinalar o perigo que cada um de nós corre”, afirma Nursultan Nazarbayev.

O risco do terrorismo

Esse perigo nasceu em 1949, ano em que decorreu o primeiro ensaio nuclear em Semipalatinsk. Ao longo das quatro décadas que se seguiram, foram produzidas mais de 450 explosões idênticas. Calcula-se que no Cazaquistão haja mais de 1,5 milhão de pessoas a sofrer das consequências desses ensaios.

Segundo Michael Moller, diretor geral da ONU em Genebra, “o desafio da questão nuclear no mundo fragmentado em que vivemos hoje é que há muitos países que consideram este armamento essencial para a sua estrutura defensiva. Nem sequer ponderam falar de desarmamento. Mas nós temos a responsabilidade de impor esse diálogo.”

Vários especialistas alertam para a necessidade de reforçar a segurança das estruturas nucleares existentes face ao fenómeno do terrorismo. O general francês Bernard Norlain especifica que “o risco que existe não consiste exatamente na ocorrência de explosões nucleares, mas sim na possibilidade de se provocarem incidentes e aí os perigos são, de facto, muito significativos. Por isso é que este encontro foi organizado em Astana, onde se promove justamente o desarmamento nuclear a nível mundial, mas também onde se debatem medidas para erradicar os riscos de acidentes e os riscos inerentes ao terrorismo.”

No final desta conferência internacional, foi produzida uma declaração conjunta para apelar à criação de zonas livres deste armamento junto dos governos do Médio Oriente, da Ásia e da Europa. Isto no âmbito da campanha de erradicação conhecida como ATOM Project.

“Gostava de dizer ao mundo: ‘Acordem, parem com isto!’”

Milhares e milhares de cazaques carregam as cicatrizes de décadas de ensaios nucleares. Uma dessas dramáticas estórias de vida acabou por tornar-se numa inspiração na luta por um mundo sem armas nucleares.

Karipbek Kuyukov tem 48 anos. É originário de uma aldeia perto de Semipalatinsk. Os seus pais foram expostos a radiações nucleares. Karipbek nasceu sem braços. Dedica-se à pintura e acredita que um outro mundo é possível.

“Sempre tive uma grande capacidade de acreditar. Acredito naquilo que faço. Acreditar é metade do caminho. Gostava de poder dizer ao mundo inteiro: ‘Acordem, parem com isto!”. Os terroristas não podem vir um dia a ter acesso a armas nucleares. Vamos juntar as nossas vozes para alcançar este objetivo. O desarmamento nuclear tem de ser total”, diz-nos aquele que se tornou embaixador do ATOM Project.

Estará o mundo pronto para aceitar a chamada Estratégia Cazaquistão 2030?

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte