Última hora

"Atques de 11/9/2001" definiram relação EUA/UE na luta antiterrorismo

Ian Lesser, diretor executivo do centro de estudos The German Marshall Fund para os EUA, falou à euronews sobre a parceria Estados Unidos-União Europeia na guerra global contra o terrorismo, 15 anos a

Em leitura:

"Atques de 11/9/2001" definiram relação EUA/UE na luta antiterrorismo

Tamanho do texto Aa Aa

No seguimento dos ataques de 11 de setembro de 2001, em Nova Iorque, que fizeram quase três mil mortos, os Estados Unidos lançaram uma guerra global contra o terrorismo.

allviews Created with Sketch. Point of view

"Os ataques foram uma viragem histórica e são altamente simbólicos para ambos os lados do Atlântico na luta antiterrorismo"

Quinze anos depois, o país continua a precisar da parceria com União Europeia nesse domínio, explicou Ian Lesser, diretor executivo do centro de estudos The German Marshall Fund para os EUA, em entrevista à correspondente da euronews em Bruxelas, Isabel Marques da Silva.

“Os ataques de 11 de setembro foram uma viragem histórica e são altamente simbólicos para ambos os lados do Atlântico em termos de luta contra o terrorismo. A única vez que a NATO ativou o artigo 5 de intervenção foi devido à ação antiterrorista após esses ataques”, disse Ian Lesser.

“Por ocasião destes aniversários, inevitavelmente recordamos a importância deste tema: é de grande importância para a opinião pública, para os legisladores. Está realmente no topo da agenda na qual Estados Unidos e Europa refletem sobre o cenário da cooperação na segurança, nos próximos anos”, acrescentou.

Questionado pela euronews sobre como estes dois blocos podem retomar uma relação mais estreita com a Turquia, depois da crise criada com o falhado golpe de Estado nesse país, o especialista afirmou que “nem os EUA nem a Europa podem lidar com o tipo de problemas que emanam do Médio Oriente sem terem a Turquia como um parceiro forte”.

“Atualmente, essa relação com a Turquia está seriamente desgastada, mas estes parceiros terão de cooperar em muitas áreas. É preciso fazer grandes progressos para aí chegar, especialmente na sequência dos recentes acontecimentos na Turquia”, concluiu.