Última hora

Última hora

NATO avalia produtos de ciberdefesa para investir 70 milhões de euros

Em leitura:

NATO avalia produtos de ciberdefesa para investir 70 milhões de euros

NATO avalia produtos de ciberdefesa para investir 70 milhões de euros
Tamanho do texto Aa Aa

“A cimeira da NATO, em Varsóvia, em julho, reconheceu o ciberespaço como o quarto domínio operacional, juntamente com a terra, mar e ar. A Aliança Atlântica pretende investir 70 milhões de euros em medidas de combate a ataques informáticos. É o momento para as empresas de alta tecnologia mostrarem os seus produtos, como por exemplo um telemóvel que bloqueia qualquer tipo de interferência”, explica o correspondente da euronews, Andrei Beketov, que esteve num simpósio sobre ciberdefesa organizado pela NATO, quarta e quinta-feira, na cidade belga de Mons.

China e Rússia são os principais adversários do Ocidente ao nível de hardware e software de ciberdefesa e continuam a apostar num controlo estatal deste tipo de produtos e serviços.

Precisamos da indústria ao nível da sua capacidade de inovação, conhecimento e soluções

Questionado pela euronews se a NATO prefere concessionar a privados, o diretor da agência de cibersegurança da NATO, Ian West, disse que “não considero que estejamos a avançar para maior privatização. Há um reconhecimento de que as grandes organizações e os Estados não podem fazer isto sozinhos, precisam da ajuda da indústria”.

“Obviamente precisamos da indústria ao nível da sua capacidade de inovação, conhecimento e soluções. Porque essas soluções combatem as ameaças que todo o mundo enfrenta. A NATO não é diferente de qualquer outra organização”, acrescentou.

A NATO deverá lançar os primeiros concursos já em 2017 e atribuir a primeira fatia de contratos aos melhores concorrentes da indústria em 2018.