Última hora

Última hora

"Viskis": A história do ladrão que bebia um whisky antes dos assaltos

Em leitura:

"Viskis": A história do ladrão que bebia um whisky antes dos assaltos

Tamanho do texto Aa Aa

Chegava de táxi.

Chegava de táxi. Agia com total confiança. Os assaltos duravam apenas alguns minutos. Ele era educado e não fazia mal a ninguém. Antes de cada roubo, bebia um whisky num bar das redondezas: é por esta razão que Attila Ambrus ganhou a alcunha de “o ladrão que bebia whisky”. A sua história e os assaltos que realizou nos anos 90 são agora tema do filme “Viszkis”, com estreia marcada para 2017.

“Assustei-me um pouco a ver cenas do filme porque eu não era de todo agressivo quando assaltava um banco. No início, era até demasiado educado, mas depois percebi que mostrar uma forte autoconfiança é importante para ser um ladrão de bancos a sério”, recorda Attila Ambrus.

Nos mais de 30 assaltos a bancos, estações dos correios e agências de viagens, o ‘ladrão que bebia whisky’ nunca feriu ninguém, o que lhe valeu o estatuto de herói rebelde e muita simpatia no seio da opinião pública.

“Não faço o papel de um assaltante de bancos qualquer, mas de Attila Ambrus. É uma personalidade extremamente complexa e interessante. Eu também tive momentos difíceis na vida, por isso compreendo que às vezes ficamos numa situação que nos pode destruir. Mas, Attila Ambrus é forte o suficiente para voltar a erguer-se após cada crise. Por exemplo, passou 12 anos na prisão, mas hoje tem trabalho. Quando falamos com ele não ficamos com a ideia que esteve preso”, refere o ator principal, Bence Szalay.

Muitos húngaros ainda quando Attila fugiu da prisão. Construiu uma corda para descer da cela onde estava, no sétimo andar, mas a corda improvisada era curta e acabou por dar um salto de 8 metros até cair na rua.

Attila Ambrus nasceu numa família húngara da Transilvânia. Abandonado pela mãe, foi educado pela avó e quando esta morreu, começaram os roubos. Mais tarde, jogou hóquei no gelo e nalguns casos, companheiros de equipa ajudaram-no nos assaltos, mas a maioria dos roubos foi feita a solo.

“Na minha vida tento não julgar ninguém, porque já cometi muitos erros e acho que ainda vou cometer mais. É por isso que o vejo como alguém que teve uma juventude complicada. Tinha um ano e meio quando a mãe o abandonou. Aos 10 anos perdeu a avó. Claro que os problemas que teve não são uma desculpa para os assaltos, mas temos sempre de levar em conta a infância que viveu”, afirma o realizador de “Viskis”, Nimród Antal.

O acidente de carro foi uma das poucas cenas em que o ator principal foi substituído por um duplo para um despiste a mais de 60 km/h.

“Quando a cena do acidente começa, temos de estar totalmente concentrados. Há muitas coisas que podem correr mal. Quando as rodas dos dois carros se tocaram, o meu desviou-se. Estive quase a despistar-se no parque de estacionamento. Mas, acho que gerimos muito bem a situação”, recorda o duplo Laszló Juhász.

O acidente foi filmado com três câmaras. Um ‘quad’ seguia os veículos. Uma segunda câmara movia-se em carris na berma da estrada. Após o acidente, uma câmara portátil registou o polícia ferido no carro-patrulha e um assistente colocou sangue artificial no corpo do agente.

Sendo um filme, as ações exageram um pouco o que se passou na realidade.

O produtor, Tamás Hutlassa, refere que “70% a 80% da ação aconteceu mesmo na realidade, mas algumas cenas foram ficcionadas para reforçar a tensão. Hoje, estamos a filmar o 10.º assalto, no qual ele fugiu num carro. Para o acidente não recorremos a efeitos especiais. Na cena, os dois carros chocam mesmo”.

Antes dos assaltos que o tornaram famoso, Attila arriscou a vida para atravessar a fronteira entre a Roménia e a Hungria, em 1988: fez a travessia agarrado à parte de baixo de um comboio de mercadorias.

‘O ladrão que bebia whisky’ tornou-se um herói popular na Hungria, um ícone durante a transição do comunismo para a democracia nos anos 90.