Última hora

Última hora

Itália avalia estragos dos sismos

As réplicas fazem-se sentir em Itália.

Em leitura:

Itália avalia estragos dos sismos

Tamanho do texto Aa Aa

As réplicas fazem-se sentir em Itália. Ainda traumatizados pelo terrível sismo de agosto, os italianos avaliam a extensão dos danos provocados pelos tremores de terra que abalaram o país ao final da tarde de quarta-feira.

Não há registo de vítimas mortais diretas, mas estão confirmadas dezenas de feridos ligeiros.

Durante a noite a proteção civil tentou acolher centenas de pessoas desalojadas pelos abalos de 5,5 e de 6,1 na escala de Richter com epicentro em Visso na província de Macerata.

“Estamos focados nas primeiras necessidades das pessoas – Água, casas de banho e comida. Organizamos duas cozinhas de campanha esta noite vai haver novo problema sobre onde as pessoas vão dormir. Não pudermos fazer melhor, vamos erguer tendas. Começamos a verificar os estragos, que são grandes porque o principal centro administrativo foi muito afetado bem como as comunidades vizinhas”, explicou o presidente da Câmara de Visso, Giuliano Pazzaglini.

O responsável pela Proteção Civil da povoação de Castelsantangelo sul Nera, Mauro Camilloni, explicou o cenário vivido durante os tremores de terra.

“Ontem, depois do tremor de terra houve um corte de eletricidade e uma chuva torrencial. Tentámos nos organizar e reunimo-nos todos numa praça. Tivemos que ir a setor por setor para verificar que alguém estava em dificuldade. Felizmente, ninguém estava ferido, ninguém se magoou”, disse.

A inexistência de vítimas mortais diretas poderá dever-se ao facto de os edifícios em risco terem sido abandonados após ao sismo de agosto.

A preocupação agora é mesmo acolher os desalojados em regiões onde no inverno a temperatura noturna já chega aos 10 graus negativos.