This content is not available in your region

Itália: Florença presta homenagem aos "Anjos da Lama"

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com Reuters
Itália: Florença presta homenagem aos "Anjos da Lama"

<p>“A última ceia” de Giorgio Vasari, um pintor do Renascimento italiano do século <span class="caps">XVI</span>, voltou agora completamente restaurado, a Florença, 50 anos depois de ter sido danificado durante as cheias históricas de 4 de novembro de 1966, que devastaram a cidade e mataram quase 50 de pessoas.</p> <p>Florença prestou homenagem às vítimas e aos “Anjos da Lama” – todos os voluntários que ajudaram a população e na limpeza de igrejas, museus, escolas e habitações.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/florenceflood?src=hash">#florenceflood</a> commemorations abound today, starting with this small exhibit at the <a href="https://twitter.com/hashtag/uffizi?src=hash">#uffizi</a> of unknown images in the museum's photo archive <a href="https://t.co/ZTs65mpJcm">pic.twitter.com/ZTs65mpJcm</a></p>— The Florentine (@TheFlorentine) <a href="https://twitter.com/TheFlorentine/status/794455622930534400">November 4, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, participou na cerimónia no Palazzo Vecchio, que reuniu sobreviventes, doadores e voluntários internacionais.</p> <p>Logo que as águas baixaram, tornou-se urgente salvar o máximo, possível, de obras de arte que ficaram danificadas pelas águas e pela lama.</p> <p>“Estávamos sempre ocupados a secar papel e livros, livros antigos. Mas eu também limpei esculturas, por exemplo, na cripta de Santa Croce que estava totalmente cheia de lama gordurosa”, relembra a historiadora de arte holandesa, Renny van Heuven.</p> <p>As enxurradas de 4 de novembro de 1966 mataram 47 pessoas na região de Florença.</p> <p>Museus, igrejas e outros repositórios de obras de arte, como o Palazzo Vecchio, o Duomo e o Battistero, ficaram cobertas por uma espessa camada de lama poluída, originando um cordão humanitário de emergência.</p> <p>Voluntários de todo o mundo acorreram a Florença.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">50th <a href="https://twitter.com/hashtag/anniversary?src=hash">#anniversary</a> of the Florence Flood: Memories from a drowned world <a href="https://t.co/XnCoSFOIWU">https://t.co/XnCoSFOIWU</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/florenceflood?src=hash">#florenceflood</a> <a href="https://t.co/Auo4SpqzkA">pic.twitter.com/Auo4SpqzkA</a></p>— The Art Newspaper (@TheArtNewspaper) <a href="https://twitter.com/TheArtNewspaper/status/794480880630829056">November 4, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>