Última hora

Última hora

Impressoras sem tinta: a próxima revolução no domínio da impressão

Em leitura:

Impressoras sem tinta: a próxima revolução no domínio da impressão

Tamanho do texto Aa Aa

As impressoras sem tinta poderão ser a próxima revolução no domínio da impressão.

As impressoras sem tinta poderão ser a próxima revolução no domínio da impressão. Um grupo de empresários holandeses desenvolveu uma tecnologia para imprimir sem usar um cartucho de toner.

Point of view

O nosso primeiro objetivo é a indústria, por exemplo, queremos fornecer máquinas para a impressão em caixas ou a impressão de livros. Vamos começar pelas máquinas industriais de grandes dimensões e depois vamos dedicar-nos às impressoras para escritórios e para uso doméstico.

A técnica utilizada pela empresa holandesa è similar à experiência que alguns alunos realizam na escola e que consiste em queimar papel através da luz refletida por uma lente. A nova técnica baseia-se em raios infra-vermelhos que atravessam a lente e queimam ligeiramente o papel.

“Usamos a energia do laser, para mudar a cor do papel. Antes, se uma pessoa tentasse utilizar este processo, teria problemas porque a cor acastanhada podia ser apagada ao esfregar o papel. Nos últimos anos, a nossa investigação conseguiu garantir que em termos de qualidade e de cor, obtemos um resultado exatamente igual ao de uma impressora tradicional”, afirmou o inventor da impressora sem tinta, Venkatesh Chandrasekar.

Os empresários envolvidos no projeto são antigos estudantes da universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda.

Para os investigadores, o desafio é conseguir imprimir graças à combustão mas sem queimar o papel. “Para controlar a combustão do papel, é preciso que a intensidade do feixe seja uniforme e que fique circunscrita a uma área determinada”, afirmou Aurèle Adam, da Universidade de Delft.

De acordo com o investigador, a intensidade da cor preta pode ser controlada por meio da alteração da duração do impulso do laser.

“O laser envia impulsos que podem ser prolongados de modo a que o sistema arrefeça antes de arder. Ao cabo de várias tentativas e de vários erros, conseguimos ajustar esta técnica de modo a obtermos vários tipos de negro e a cor desejada”, acrescentou Aurèle Adam.

Após vários testes, os investigadores afirmam que a nova tecnologia de impressão sem tinta satisfaz os requisitos necessários para imprimir a preto e branco.

Os investigadores criaram uma empresa, a Tucano, que tem como objetivo a venda desta nova tecnologia à indústria.

“Queremos fazer parcerias com grandes fabricantes de impressoras e colocar esta tecnologia no mercado o mais depressa possível. Atualmente os fabricantes ganham dinheiro graças às máquinas e também aos cartuxos. É o modelo de negócios atual. Mas, a nossa solução tem vantagens, não é preciso produzir cartuxos, o que permite reduzir custos em toda a linha de produção. Há vantagens ambientais e a impressora funciona melhor e pode imprimir de forma ilimitada”, afirmou Arnaud van der Veen, diretor comercial da Tucano.

O inventor da impressão sem tinta espera que a nova tecnologia possa ser comercializada daqui a dois anos.

“O nosso primeiro objetivo é a indústria, por exemplo, fornecer máquinas para a impressão em caixas ou a impressão de livros. Vamos começar pelas máquinas industriais de grandes dimensões e depois vamos dedicar-nos às impressoras para escritórios e para uso doméstico. Podemos adaptar a nossa tecnologia e criar uma máquina para uso doméstico”, disse Venkatesh Chandrasekar.

Atualmente, menos de 30% dos cartuxos são reciclados. Num aterro, um cartuxo leva 450 anos antes de ser decomposto.