Última hora

Última hora

Roménia: Domingo de protesto junta milhares em todo o país

Pelo menos 50 mil pessoas marcaram presença só em Bucareste. Entrevistados pela Euronews esperam que manifestações continuem.

Em leitura:

Roménia: Domingo de protesto junta milhares em todo o país

Tamanho do texto Aa Aa

Com Marie Jeanne Ion, em Bucareste, e Reuters

Domingo foi mais um dia de protestos em toda a Roménia. Pelo menos 50 mil manifestante*s terão marcado presença em *Bucareste, enquanto outros milhares se manifestaram em cidades de todo o país.

Tudo porque o Governo social-democrata do primeiro-ministro Sorin Grindeanu aprovou, no passado 31 de janeiro, um drecreto urgente, com medidas que, segundo os críticos, a mais não se destinariam do que a enfraquecer a luta contra a corrupção no país.

Ainda que o drecreto tenha sido depois anulado pelo Executivo e que o seu autor, o ministro da Justiça Florin Iordache tenha pedido a demissão, os protestos continuaram. O ministro disse, no entanto, que não tinha cometido qualquer erro.

Nas ruas, a população exibia cartazes com palavras de ordem nas línguas romena e inglesa, apelando à resistência contra a corrupção e contra “aqueles que se querem esconder.”


Depois de anulado, o decreto terá agora de passar por uma votação fina. Tudo indica que deverá ser definitivamente posto de parte, mas nada é seguro, pelo que os protestos não baixaram de tom.

Em entrevista à Euronews este domingo, em Bucareste, o analista independente Dan Ionescu disse que “as pessoas deixaram de ter confiança no Governo” e que o Executivo tem de anular a lei.”

E foi exatamente uma mensagem de falta de confiança no poder que transmitiram alguns dos manifestantes à Euronews, durante os protestos, que tiveram lugar perto do parlamento.

Iordan, jovem engenheiro no setor privado, disse que o importante era que o Governo entendesse que “não poderia fazer o que lhe apetecesse” e que esta era “uma lei para proteger os corruptos”.

Teo, outro jovem manifestante, disse à Euronews que deveriam continuar os protestos até que o Governo comece “a agir de acordo com a sua obrigação”, que é a de “estar com as pessoas e não contra elas.”
Um dos países mais corruptos da União Europeia
Segundo a Organização Não-Governamental Transparency International, que elabora todos os anos um índice que perceção da corrupção por parte dos habitantes de todos os países do mundo, a Roménia continua a ser um dos casos mais preocupantes da União Europeia dos 28.


Quando comparados todos os resultados dos Estados membros, a Dinamarca obteve, em 2016 a pontuação mais elevada, com 90 pontos em 100 – a melhor pontuação em todo o mundo – enquanto países como a Roménia (48/100) mas também a Itália, a Grécia e a Hungria surgem com os piores resultados em toda a UE.

Em 176 países considerados no índice apresentado este ano, relativo a 2016, a Roménia ficou em 57mo lugar, abaixo de países como o Ruanda, a Costa Rica, Cabo Verde, a Lituânia ou o Chipre.