Última hora

Em leitura:

Washington e Seul reafirmam união e criticam testes norte-coreanos


Coreia do Norte

Washington e Seul reafirmam união e criticam testes norte-coreanos

Com Kyodo, Yonhap e Lusa

A agência de notícias japonesa Kyodo News diz que a Coreia do Norte realizou um novo teste com mísseis. A informação é avançada à agência japonesa por fontes do Governo de Tóquio.

O exército da Coreia do Sul diz também que Pyongyang realizou novos lançamentos de mísseis, mas que falhou os seus objetivos.

No início deste mês de março, a Coreia do Norte irritou os seus vizinhos depois de ter lançado uma série de mísseis ao largo da costa do Japão.


O Japão, a Coreia do Sul e os Estados Unidos classificam as atitudes de Pyongyang como hostis e, nesse sentido, têm vindo a promover esforços para intensificarem uma política de defesa comum.

Joseph Yun, representante dos Estados Unidos da política para a Coreia do Norte e das relações com a Coreia do Sul e Japão, esteve em Seul, onde se encontrou com o representante sul-coreano para os assuntos da península, Kim Hong-Kyun.

Ambos representantes insistiram na importância da instalação do sistema antimísseis norte-americano THAAD em território sul-coreano e criticaram a China, que se opõe à decisão.

Segundo a agência de notícias sul-coreana, Yonhap, Tillerson disse às autoridades chinesas que retaliações contra Seul por causa da instalação de referido sistema em território sul-coreano eram “inapropriadas.”


Washington e Pequim: a difícil aproximação

Pequim insiste que se trata de uma manobra destinada ao enfrentamento com a China, apesar de Washington e Seul já terem vindo dizer, em diversas ocasiões, que o sistema visa a proteção contra a ameaça nuclear que dizem representar a Coreia do Norte.

O encontro bilateral entre os representantes dos Estados Unidos e Coreia do Sul ocorreu depois do périplo do Secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, pelo extremo Oriente.

Tillerson encontrou-se em Pequim com o presidente chinês Xi Jingping e ambos tentaram passar uma mensagem de aproximação entre os dois países.

Mas a instalação, na Coreia do Sul, do sistema THAAD, é um problema para a China. Uma decisão da parte dos Estados Unidos que poderá vir a ser motivo de tensões entre duas das maiores economias do mundo.

O que é o THAAD?

  • A sigla THAAD significa, em inglês, “Terminal de Defesa Aérea para Grandes Altitudes”.
    • O sistema foi especialmente concebido para que a Coreia do Sul possa proteger-se de ataques do norte.
      • Poderá intercetar mísseis de curto e médio-alcance.

        • Poderá ter a capacidade de destruir mísseis inimigos com o impacto.
          • Serão utilizados até oito mísseis intercetores.
            • O THAAD poderá estar operacional já em abril.

            Rússia alerta para “riscos” em relação ao sistema

            O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, criticou em Tóquio a instalação do sistema.

            Lavrov disse que a iniciativa representava um “grave risco” para a região, após uma reunião dos ministros russos e japoneses dos Negócios Estrangeiros e da Defesa.

            A segurança da região Ásia-pacífico dominou estas discussões “2+2”, consagradas a diferentes questões.


            O encontro teve lugar duas semanas depois dos testes norte-coreanos ao largo da costa do Japão.

            “Se for para contrariar as ameaças provenientes da Coreia do Norte, o deslocamento deste sistema, tal como a acumulação de armas na região, são uma resposta desproporcionada”, disse Lavrov.

            “Estamos de acordo com os nossos parceiros japoneses sobre o facto que a Coreia do Norte deve respeitar estritamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU”, concluiu o ministro russo dos Negócios Estrangeiros.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Coreia do Norte

Coreia do Norte pode ter falhado lançamento de mísseis