This content is not available in your region

Seis candidatos na corrida à presidência do Irão

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Seis candidatos na corrida à presidência do Irão

<p>Daqui a menos de um mês, os iranianos são chamados às urnas para elegerem um novo presidente. A lista final dos candidatos é agora oficial. São seis, os que podem aspirar à presidência. E apesar das sondagens serem praticamente inexistentes no país, muitos acreditam que o presidente cessante, <a href="https://www.theguardian.com/world/2017/apr/16/iran-hassan-rouhani-face-tough-re-election-race-as-candidate-list-closes">Hassan Rouhani</a>, tem grandes hipóteses de ser reeleito.</p> <p><strong>Hassan Rouhani</strong><br /> Mas, no Irão as surpresas acontecem com frequência. Em 2013, nenhum analista no Ocidente esperava a eleição de Rohani,que foi eleito à primeira volta.</p> <p>Este advogado de 68 anos, que foi o sétimo presidente desde a revolução de 1979, prometeu aos iranianos acabar com o isolmento internacional e criar uma sociedade mais livre. Concluiu em 2015, o acordo sobre o nuclear e viu as sanções internacionais serem levantadas em 2016. Os adversários acusam-no de não ter operado a retoma económica apesar do fim das sanções.</p> <p><strong>Ebrahim Raisi</strong><br /> Entre os três principais rivais está <a href="https://www.theguardian.com/world/2017/apr/09/conservative-cleric-ebrahim-raisi-enters-irans-presidential-race">Ebrahim Raisi</a>, um próximo do líder supremo Ali Khamenei e dado como o seu sucessor natural. Para alguns analistas a eleição como presidente poderia ser o primeiro passo nesse sentido.</p> <p>Professor de direito, conservador, Raisi pretende reavivar os valores da revolução islâmica e descreve-se a si próprio como próximo dos pobres. Em 2016, Khamenei atribuiu-lhe a custódia da Astan Qods Razavi, uma organização responsável por uma fundação religiosa assente em vários biliões de dólares.</p> <p><strong>Mohammad Baqer Qalibaf</strong><br /> Entre os quatro candidatos com potencial nesta eleição encontra-se também <a href="https://en.wikipedia.org/wiki/Mohammad_Bagher_Ghalibaf">Mohammad Baqer Qalibaf</a>, um crítico acérrimo das opções económicas do presidente em final de mandato. Antigo chefe de polícia, Qalibaf, que foi presidente da câmara de Terrão desde 2005, é visto como um homem pragmático e conservador. Esta é a sua terceira candidatura à presidência. Em 2005 perdeu contra Ahmadinejad; em 2013, contra Hassan Rouhani.</p> <p><strong>Eshaq Jahangiri</strong><br /> O último dos quatro principais é <a href="https://en.wikipedia.org/wiki/Eshaq_Jahangiri">Eshaq Jahangiri</a>, o atual vice-presidente de Rouhani que, dizem os analistas, poderá desistir em favor do atual presidente, para evitar a dispersão de votos no campo mais moderado.</p> <p><a href="https://en.wikipedia.org/wiki/Iranian_presidential_election,_2017">A campanha eleitoral teve início no dia 21 de abril</a>. E apesar das dificuldades em tomar o pulso à política interna iraniana, vários analistas internacionais estimam que a taxa de participação será elevada no dia 19 de maio, o dia do voto.</p>