Última hora

UNESCO adota resolução sobre estatuto de Jerusalém Oriental

Foi aprovada por consenso a resolução final da UNESCO, que reafirma a importância da Cidade Velha de Jerusalém para as três religiões monoteístas.

Em leitura:

UNESCO adota resolução sobre estatuto de Jerusalém Oriental

Tamanho do texto Aa Aa

Foi aprovada por consenso a resolução final da UNESCO, que reafirma a importância da Cidade Velha de Jerusalém para as três religiões monoteístas.

A resolução recorda que “todas as medidas legislativas e administrativas e as medidas tomadas por Israel, a potência ocupante, que alteraram ou pretendem alterar o caráter e o estatuto da Cidade Santa de Jeruslam” serão “nulas e sem efeito e devem ser imediatamente revogadas. “

O vice-embaixador Palestiniano na Unesco comenta: “É claramente uma chamada de atenção a Israel sobre o estatuto legal de Jerusalém Oriental, que é a potência de ocupação e seguindo este estatuto não tem o direito de realizar qualquer trabalho, escavação ou quaisquer outras mudanças na cidade”.

A resolução foi aprovada com os votos de 22 países. Entre os dez estados que votaram contra estão Alemanha, Itália, Grã-Bretanha, Holanda, Grécia, Paragua, Ucrânia e Estados Unidos.

O texto proposto pelas nações árabes foi construído a partir de alianças políticas e económicas internacionais que o governo israelita denuncia.

O documento pede o fim dos projetos de construção na chamada Cidade Velha de Jerusalém, onde se encontra o Muro das Lamentações e a Mesquita Al-Aqsa (construída no local onde existia o Templo de Salomão), e pede igualmente o fim do bloqueio de Israel na faixa de Gaza.

  • Israel classifica de “absurdo” a resolução*

Israel pediu aos países com embaixada no seu território para se transferirem para Jerusalém e classificou como absurda a resolução aprovada pela UNESCO censurando a sua ação “como potência ocupante” na parte oriental da cidade, ocupada desde 1967.

Durante uma receção de diplomatas estrangeiros por ocasião do 69.º aniversário da independência de Israel que hoje se assinala, o Presidente israelita, Reuven Rivlin, frisou que Jerusalém “é a capital de Israel”.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, também presente na celebração, reforçou o pedido, classificando como absurdo o gesto da agência especializada da ONU.