Última hora

Última hora

Conversações de Genebra sem paz à vista para a Síria

A Organização das Nações Unidas (ONU) conseguiu um avanço mínimo na sexta ronda do diálogo de paz entre o Governo e a oposição da Síria, mas não avançou em qualquer dos principais pontos da agenda estabelecida.

Em leitura:

Conversações de Genebra sem paz à vista para a Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Com Lusa

O enviado das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, disse estar satisfeito com o facto de as conversações entre o Governo de Bashar al-Assad e os opositores terem começado, mas admitiu que houve apenas pequenos avanços.

Mistura sustentou que este passo dado pelas partes é uma boa notícia, porque quando chegar o momento de falar de uma nova Constituição, “já há trabalho feito”, sublinhou.

As reuniões de De Mistura com o Governo e a oposição realizam-se em momentos diferentes, à semelhança do diálogo político formal.

Não obstante, De Mistura fracassou no seu esforço de incluir nas reuniões técnicas da ONU com o principal grupo oposicionista – a Comissão Suprema para as Negociações (CSN) – representantes das duas plataformas da oposição toleradas por Damasco, designadas ‘Cairo’ e ‘Moscovo’.

Como sucede nas negociações que decorrem sob a atenção dos media, tanto o Governo, como a oposição, interpretaram de forma diferente o objetivo das reuniões técnicas.

O negociador principal do Governo sírio, Bashar Yafari, assegurou que a iniciativa era do próprio Executivo, e não da ONU, enfatizando que a abordagem de tratamento de assuntos constitucionais nestes encontros “não tem nada a ver” com qualquer avanço para uma eventual transição política na Síria.

O representante da CSN, Naser al-Hariri, por sua vez, minimizou a importância do anúncio, garantindo que a oposição realizou durante as conversações cerca de 10 reuniões técnicas, pelo que não é nada de extraordinário.

Nasser al-Hariri acusou o governo sírio de “não ter oferecido nada de novo para alcançar uma solução política” e de “estar contra qualquer avanço para facilitar o trabalho sobre a transição”. Queixou-se da falta de uma “pressão internacional real”, que imponha prazos à negociação, para conseguir que Damasco se implique “seriamente” no processo político.