Última hora

Última hora

Abatido o terrorista da Gare Central de Bruxelas

A polícia abateu o terrorista que detonou um explosivo na Gare Central de Bruxelas. O ataque não provocou vítimas

Em leitura:

Abatido o terrorista da Gare Central de Bruxelas

Tamanho do texto Aa Aa

Está confirmada a morte do homem que ontem, ao princípio da noite, detonou um explosivo na Gare Central dos caminhos de ferro de Bruxelas

O ataque, que não provocou vítimas, ocorreu por volta das 20 horas e 30 minutos.

Um homem fez explodir as bagagens. A explosão não terá sido muito forte mas o suficiente para criar o pânico e acionar todo o dispositivo de segurança.
Segundo testemunhas, o homem terá gritado “Allahu Akbar” – Deus é Grande – antes de detonar o explosivo.

O atacante foi imediatamente neutralizado pelas forças de segurança. A sua identidade não foi ainda divulgada.

Em conferência de imprensa , o porta-voz do procurador, confirmou:
“Os militares que estavam na Gare Central dispararam sobre o suspeito, imediatamente após a explosão. A investigação prossegue. Consideramos este incidente um ataque terrorista e, felizmente, não houve outras vítimas para além do suspeito. Ainda não sabemos a sua identidade”

Eric Van Der Sypt recusou comentar relatos de testemunhos, segundo os quais o suspeito estaria acompanhado de mais duas pessoas que terão fugido.

A Gare Central é uma das mais movimentadas estações de comboios da capital belga e fica perto da Grand Palce – um local por onde passam milhares de turistas e onde há inúmeros hotéis e atrações turísticas.

Um funcionário da estação conta: “Quando desci para aquela plataforma havia um homem a gritar, a gritar muito . Falava de jihadismo e coisas do género. Num dado momento gritou “Allahu Akbar” e detonou uma pequena mala que tinha com ele. Depois as pessoas começaram a fugir. A desaparecer. Eu fui para o cais a correr dar o alerta aos meus colegas para que pudessem evacuar a estação”.

O nosso correspondente em Bruxelas, Frédéric Bouchard, acompanhou as operações no local nas horas que se seguiram ao ataque terrorista:
“Estamos nas proximidades do bairro turístico da Grand Place. As pessoas estiveram retidas nos restaurantes. A Grand Place foi evacuada, a Gare Central também foi evacuada e a seguir encerrada. A Gare du Nord, que também se situa na cidade, também foi encerrada, assim como várias estações de metro. A neutralização do homem, que parece que transportava uma mochila com uma bomba, provocou um movimento de pânico, muitas pessoas fugiram para o exterior da gare. Como nos indicou o porta-voz da SNCB – os caminhos-de-ferro belgas – todas as pessoas puderam depois regressar a casa calmamente. Por esta Gare Central passam cerca de 60 mil pessoas por dia e, felizmente, o ataque aconteceu depois da hora de ponta que é entre as 17 e as 18 horas”.
A polícia está a desenvolver estas primeiras horas de investigação sem grandes comentários

A capital belga está em alerta máximo há mais de 18 meses, desde que células terroristas baseadas em Bruxelas organizaram e executaram os ataques em Paris em novembro de 2015, que mataram 130 pessoas.

A cidade está ainda sob o trauma dos ataques terroristas de há pouco mais de um ano. A 22 de março de 2016, o aeroporto de Zaventem e a estação de metro de Maelbeek – no coração das instituições europeias – foram alvos de atentados bombistas que mataram 32 pessoas. Atos que foram reivindicados pelo Estado islâmico. O ataque de ontem à noite não foi ainda revindicado.

Este é um dos sucessivos ataques ocorridos nas principais capitais eurpeias e confirma que Bruxelas, Paris e Londres estão, mais do que nunca, na mira do terrorismo.