Última hora

Última hora

Amatrice recorda vítimas, um ano depois do sismo

Em leitura:

Amatrice recorda vítimas, um ano depois do sismo

Amatrice recorda vítimas, um ano depois do sismo
Tamanho do texto Aa Aa

Um ano depois do terremoto que matou 299 pessoas no centro da Itália, a Igreja católica recordou as vítimas.

Uma missa celebrada em Amatrice esta quinta-feira contou com a participação do chefe do governo, Paolo Gentiloni, e de representantes das autoridades locais.

Entretanto, o descontentamento reina entre os sobreviventes, confrontados com o lento processo de reconstrução, enquanto 7.500 pessoas permanecem deslocadas, a habitar em condições provisórias. O presidente da câmara de Amatrice, Sergio Pirozzi, promete soluções em setembro:

“Espero que em fim de setembro ou princípio de outubro, todas as 480 famílias sejam realojadas em condições dignas.”

Foram retirados apenas 10% das 4 mil toneladas de escombros, pois os elementos retirados de edifícos com valor histórico e patrimonial devem ser classificados antes de serem enviados para restauração.

Embora haja quem não tenha ainda perdido a esperança, uma parte da população já desistiu:

“As coisas estão a avançar. Começamos a ver resultados, o que nos dá grande esperança de que poderemos todos recomeçar e reconstruir esta área, que tem de facto uma grande beleza”, disse Fabio Magnifici.

Carlo Maggi sublinha a deceção: “Não vejo aqui nenhum futuro. Tenho pena dos jovens, que continuam a acreditar, mas quando vejo como as coisas são conduzidas, não vejo futuro.”

O sismo que atingiu o centro da Itália em 24 de agosto de 2016, deixou em ruínas Amatrice, Accumoli e um distrito de Arquata del Tronto, nas regiões de Lazio e Marcas.