Última hora

Última hora

Madrid reforça controlo sobre as despesas da Catalunha

Madrid reforça controlo sobre as despesas da Catalunha, para evitar que fundos públicos paguem o referendo. Dirigentes políticos catalães denunciam "repressão sem precedentes" do governo central

Em leitura:

Madrid reforça controlo sobre as despesas da Catalunha

Tamanho do texto Aa Aa

Continua o braço de ferro entre Madrid e os independentistas catalães. O primeiro-ministro de Espanha, Mariano Rajoy, foi a Barcelona, na sexta-feira, repetir que não haverá um referendo pela independência da Catalunha no dia 1 de outubro.

Num discurso perante a direcção do Partido Popular, Rajoy deixou avisos aos independentistas:

“Nenhum Estado do mundo pode tolerar uma situação como a que está a acontecer aqui. Não é possível e já o dissemos. Estão a cometer um erro e vão forçar-nos a fazer aquilo que não queremos. Não vai haver referendo. Não vai haver.”

Madrid tenta apertar o cerco aos independentistas: o ministro do Orçamento, Cristobal Montoro, anunciou que o governo central assume o controlo do pagamento dos salários dos funcionários na Catalunha, com o objetivo de impedir que o executivo regional utilize dinheiro público na organização do referendo separatista. Os fundos públicos não serão destinados a “actividades ilegais”, frisou Montoro:

“O governo estabeleceu um mecanismo de controlo de pagamentos necessário para garantir os serviços públicos fundamentais dos catalães e assegurar que ninguém na Catalunha ou no resto da Espanha será afetado pelas ações dos líderes políticos da Catalunha”.

“Em democracia, escutar a voz da cidadania, nunca é um problema e muito menos um crime”, lembram entretanto os principais dirigentes políticos da Catalunha, numa carta enviada na sexta-feira ao rei Felipe VI e ao primeiro-ministro espanhol. Na missiva, o presidente do executivo catalão, Carles Puigdemont, o vice-presidente da Generalitat, Oriol Junqueras, a presidente da câmara municipal de Barcelona, Ada Colau, e a presidente do parlamento catalão, Carme Forcadell, apelam ao diálogo e denunciam uma “repressão sem precedentes” do Estado contra os apoiantes do referendo.