Última hora

Última hora

Venezuelanos a votos com acusações de fraude da parte da oposição

As sondagens são, no entanto, favoráveis ao Movimento da Unidade Democrática em vários estados.

Em leitura:

Venezuelanos a votos com acusações de fraude da parte da oposição

Tamanho do texto Aa Aa

Os venezuelanos escolhem os governadores dos Estados, depois de uma campanha assinalada por denúncias da oposição sobre supostas fraudes da Comissão Eleitoral para favorecer o poder.

As eleições deveriam ter sido realizadas em dezembro de 2016, mas acabaram por ser fixadas para outubro.

No entanto, o processo não inclui a convocatória para renovação dos parlamentos regionais, eleitos em 2012 juntamente com os governadores.

Esta decisão poderá beneficiar o poder em torno do Presidente Nicolás Maduro, que controla 20 dos 23 Estados e 22 dos 23 parlamentos regionais.

Oposição denuncia irregularidades em todo o processo

A coligação da oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD), que concorre às urnas com vários dos seus líderes detidos, denunciou a alteração dos locais das assembleias de voto nos seus bastiões onde deveriam votar mais de meio milhão de eleitores.

Ainda assim, para o Padre Arturo Pedraza, mediador na crise venezuelana, estas eleições poderiam servir para aliviar a tensão, como explicou à Euronews:

“Estas eleições deveriam ter tido lugar no ano passado e não agora”, explicou o Padre Arturo Pedraza.

“Mas o facto de que aconteçam agora podem ajudar aaliviar da tensão para que consigamos encontrar soluções políticas e democráticas para esta crise que enfrentamos como sociedade”, continuou.

Sondagens favoráveis à oposição

As sondagens dizem que a oposição deverá garantir a maioria dos governadores dos estados, apesar de os aliados do Governo apostarem numa forte votação para demonstrar que ainda são competitivos.