Última hora

Última hora

Agência Europeia do Medicamento de malas quase feitas

A instituição está até agora sediada em Londres e no 20 de novembro, os ministros da União Europeia participam numa votação secreta para escolher onde se vai instalar a chamada EMA.

Em leitura:

Agência Europeia do Medicamento de malas quase feitas

Tamanho do texto Aa Aa

Falta menos de uma semana para ser revelada a nova morada da Agência Europeia do Medicamento. A mudança é mais uma das consequências do Brexit. A instituição está até agora sediada em Londres e no 20 de novembro, os ministros da União Europeia participam numa votação secreta para escolher onde se vai instalar a chamada EMA.

O Porto é uma das 19 cidades que entraram nesta corrida para receber os perto de 900 funcionários de um dos mais importantes reguladores da Comissão Europeia.
Para além da cidade portuguesa, estão também Amesterdão, Atenas, Barcelona, Bona, Bratislava, Bruxelas, Bucareste, Copenhaga, Dublin, Helsínquia, Lille, Malta (a cidade não foi revelada), Milão, Sófia, Estocolmo, Viena, Varsóvia e Zagrebe.

Nos vídeos de promoção da candidatura portuense são apontadas as vantagens da Invicta.
Aliás, a capital do norte de Portugal tem aparecido sempre como uma das cidades com melhores condições para ser a nova morada da Agência.

Mas nas últimas semanas, o Porto parace ter perdido algum terreno nesta corrida. O jornal Financial Times avançou nos últimos dias que Bratislava e Milão são as cidades favoritas a acolher a Agência Europeia do Medicamento. O jornal cita “diplomatas seniores” da União Europeia .

A capital da Eslováquia seria a escolha da Comissão Europeia como forma de dar maior protagonismo aos países do leste do Bloco.
Mas vários inquéritos já revelaram que grande parte dos funcionários da EMA se despedem se a decisão pender para Bratislava. São poucos os que estarão dispostos a rumar a leste. Mais de 70% já disse que abandona a instituição.

Já Milão aparece melhor classificada dentro das boas opções para quem trabalha na Agência.
A escolha da capital financeira de Itália aparece como uma possível compensação pelo facto dos transalpinos terem oferecido mais tropas para as forças militarizadas da NATO nos países bálticos em troca de votos desta região para Milão.
Além disso, a cidade italiana pode beneficiar das reservas que surgiram à candidatura de Barcelona, por causa da crise catalã.

A decisão vai então ser conhecida na próxima segunda-feira dia 20 depois da reunião dos ministros da União Europeia.