Última hora

Última hora

Da guerra na Síria ao sonho de chegar aos Jogos Paralímpicos

Em leitura:

Da guerra na Síria ao sonho de chegar aos Jogos Paralímpicos

Da guerra na Síria ao sonho de chegar aos Jogos Paralímpicos
Tamanho do texto Aa Aa

Há dois anos, Najib Alhaj Ali estava na sua casa em Homs, na Síria, quando a explosão de uma bomba o deixou numa cadeira de rodas. Para escapar a um destino mais trágico, a família de Najib fugiu da Síria e arriscou a vida num barco de borracha para a travessia entre a Turquia e a Grécia.

Aqui, encontraram em 2016 um asilo e um futuro para o jovem no desporto adaptado. Najib integrou o programa de desenvolvimento da educação paralímpica nas populações refugiadas, das Nações Unidas. A sua cadeira de rodas abria agora novas oportunidades.

"Estou feliz. A atitude dele está a mudar. O desporto está a fazê-lo sair da concha. Espero que Deus lhe dê sorte e que ele contacte com as pessoas, especialmente que estão numa situação semelhante. Isso poderia incentivá-lo. Não se trata apenas de vencer", afirmou a mãe do jovem, Faten Shahuod.

Depois de um ano a treinar e de duas provas de corridas de cadeiras de rodas na Grécia, chegou o primeiro teste numa competição internacional.

Assim, o primeiro voo na vida de Najib foi para Portugal, onde Vila Real de Santo António acolheu os Jogos Mundiais para desportistas em cadeira de rodas e amputados. Para o rapaz de 12 anos, a prova em Portugal abriu-lhe novos horizontes e sonhos por alcançar.

"Estou feliz porque encontrei novas pessoas do Brasil, dos Emirados Árabes Unidos e de outros países. Quando voltar para a Grécia, treinarei mais. Em vez de uma hora, treinarei duas. Em vez de duas, treinarei três. Então, poderei começar a ganhar corridas. O meu sonho é obter mais tratamento e competir nos Jogos Paralímpicos", concluiu.