Última hora

Última hora

Primeiro-ministro da Polónia muda ministros para agradar à UE

Em leitura:

Primeiro-ministro da Polónia muda ministros para agradar à UE

© Copyright :
REUTERS/Kacper Pempel
Tamanho do texto Aa Aa

O novo primeiro-ministro da Polónia demitiu esta terça-feira os respetivos ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros e o Presidente já procedeu a tomada de posse dos novos membros do executivo.

A medida é vista como uma tentativa de Varsóvia de reaproximar dos parceiros europeus, numa altura em que existe muito criticismo em torno da alegada politização do sistema judicial polaco pelo partido no poder, o Lei e Justiça (PiS, na sigla original).

Nomeado para substituir Beata Szydlo há cerca de um mês, Mateusz Morawiecki anunciou a remodelação do executivo poucas horas antes de viajar para Bruxelas.

Está previsto o chefe de Governo ser convidado de um jantar oferecido por Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia, no qual também deverá estar o vice-presidente europeu, Frans Timmermans.

O chefe de Governo vai tentar reduzir o distanciamento criado entre o executivo polaco e os dirigentes europeus, numa altura em que a união Europeia se prepara também para debater um novo orçamento de apoio aos Estados-membros e no qual a Polónia tem sido um dos maiores beneficiados.

O problema é que em Bruxelas têm aumentado a preocupação pela reforma judicial em curso na Polónia e por algumas políticas defendidas pelo PiS, de Jaroslaw Kaczynski, tido como o mais poderoso político neste país de leste apesar de não exercer qualquer cargo de governação.

O Presidente polaco, Andrej Duda, já empossou os novos ministros, incluindo também uma nova ministra das Finanças e um ministro do Investimento, que assumem as pastas na posse de Mateusz Morawiecki até há um mês.

Para o chefe de Governo "é da maior importância " construir "uma forte e segura Polónia". "Um país seguro nas fronteiras externas, seguro no respetivo território assim como seguro em termos financeiros", especificou Mateusz Morawiecki.

Falta saber o impacto desta remodelação polaca nos centros de decisão da União Europeia.