Última hora

Última hora

Wall Street afunda-se na pior semana da 'Era Trump'

Em leitura:

Wall Street afunda-se na pior semana da 'Era Trump'

Tamanho do texto Aa Aa

A bolsa nova-iorquina encerrou esta sexta-feira com um recuo assinalável do seu índice Dow Jones, que teve a sua maior queda em percentagem desde junho de 2016.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones perdeu 2,54% (666 pontos), para as 25.520,96 unidades, encolhendo no conjunto da semana 4,12%. O Nasdaq, por seu lado, recuou 1,96% (144,92), para as 7.240,95 unidades, perdendo 3,53% na semana. Da mesma forma, o S&P500 desvalorizou 2,12% (59,85), para os 2.762,13 pontos, contraindo 3,85% na semana.

Para este mau desempenho contribuíram a queda das petrolíferas ExxonMobil e Chevron e a subida das taxas de juro.

“Um velho ditado diz que o que é bom para a economia não o é necessariamente para Wall Street”, recordou Peter Cardillo, do First Standard financial. Um relatório mensal sobre o mercado de trabalho nos EUA, divulgado hoje, revelou que a progressão dos salários em 12 meses foi de 2,9%, o ritmo mais elevado em cerca de nove anos, o que indicia um endurecimento do mercado de trabalho e uma futura subida dos preços.

“É uma boa notícia para os trabalhadores, mas isso dá a entender que a inflação sobre os salários ganha força, o que pode ser uma má notícia para os investidores”, observou Ken Berman, da Gorilla Trades, acrescentando que "isto dá ao banco central norte-americano (Reserva Federal) fogo verde para aumentar as suas taxas, o que historicamente ronda os investidores nervosos”, acrescentou.

Segundo Mickey Levy, da Berenberg, “as hipóteses de ver (em 2018) mais subidas de taxas do que as três antecipadas pela Reserva Federal em dezembro aumentam”.

Sensíveis às perspetivas de inflação, as taxas de rendimento das obrigações do Tesouro norte-americano a 10 anos elevaram-se a 2,853% durante a sessão, depois dos 2,790% registados na noite de quinta-feira.

Depois do final de dezembro, esta taxa aumentou 0,43 pontos percentuais, bem mais do que os economistas esperavam.

A relativa ao prazo de 30 anos atingiu, por seu lado os 3,098%, depois dos 3,024% da véspera.

Membros do Dow Jones, duas das principais empresas petrolíferas - ExxonMobil e Chevron, que recuaram respetivamente 5,10% e 5,57%, aceleraram o recuo deste emblemático índice de Wall Street, depois de apresentarem os seus resultados trimestrais.