Última hora

Última hora

Islândia ou a viagem a uma ilha de igualdade

Em leitura:

Islândia ou a viagem a uma ilha de igualdade

Tamanho do texto Aa Aa

A Islândia adotou, no passado mês de janeiro, uma lei de igualdade salarial. Uma novidade no mundo. Homens e mulheres devem ganhar o mesmo pelo mesmo trabalho no país e há multas paras empresas incumpridoras.

Point of view

"Não vai haver igualdade, nem aqui, nem em qualquer sociedade, se o sistema escolar não for parte ativa da mudança.

Hanna Björg Vilhjálmsdóttir Professora de Estudos de Género na escola pública islandesa

De acordo com o Forum Económico Mundial, a Islândia é o país mais paritário do mundo. Um resultado que se repete há nove anos, de acordo com os indicadores utilizados pelo organismo.

A Euronews foi até à pequena ilha de 330 mil habitantes. Visitámos uma filial local de uma conhecida marca sueca de artigos para a casa.

Empresas pioneiras

Há cerca de cinco anos que a empresa sueca aplica medidas pela igualdade de género. As mulheres são metade da força de trabalho, incluindo em posições de gestão. Uma vantagem, diz o diretor da filial da empresa para a Islândia, Thórarinn Aevarsson:

"É impossível, a longo prazo, ter uma empresa rentável sem trabalhadores satisfeitos. Um pessoal feliz produz mais e vende mais. E se metade do pessoal não se encontra feliz, é impossível ter-se um bom negócio."

Tudo começa em casa

A igualdade começa em casa na islândia. Mulheres e homens têm direito a três semanas de licença cada um. E depois, há mais três meses para partilhar como entenderem. Hjálmar, gestor de transportes e ator, substitui a mulher Ljósbrá , que passou três meses em casa e volta para o banco:

Hjálmar explicou à Euronews que quer estar com o filho desde os primeiros momentos:

"É no início, quando eles (os bebés) começam a crescer e a aprender coisas novas que é bom para mim estabelecer uma ligação."

Ljósbrá Logadóttir passou os primeiros meses com o filho. Diz que tem vontade de trabalhar:

"É, para mim, é realmente importante que possa voltar ao meu trabalho e ainda ter emprego e ter um salário tão elevado quanto o dos homens."

E passa pela escola

A luta contra a discriminação e desigualdade faz-se também na escola. A disciplina de Estudos de Género é obrigatória nas escolas secundárias.

Hanna Björg Vilhjálmsdóttir lançou as primeiras aulas no sistema educativo islandês, há cerca de 10 anos:

"Não vai haver igualdade, nem aqui, nem em qualquer sociedade, se o sistema escolar não for parte ativa da mudança. É aqui que moldamos ideias," explicou a professora à Euronews.

Ideias que, mesmo no país mais igualitário do mundo, devem ser ensinadas. Os níveis de violência contra a mulher são ainda motivo de preocupação.