This content is not available in your region

ONU denuncia autores da violência na Nicarágua

Access to the comments Comentários
De  Joao Duarte Ferreira
Violência na Nicarágua
Violência na Nicarágua

Na Nicarágua, há dois meses que dura a crise mais sangrenta desde a década de oitenta. Na origem dos protestos anti-governamentais está a reforma da segurança social que se converteu num grito de repúdio nacional do governo liderado pelo presidente Daniel Ortega.

"Eu deploro a violência, incluindo o incidente de fogo posto ocorrido há dois dias"

Zeid Ra'ad al Hussein Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos

Após 62 dias de confrontos o número de mortos ronda as duas centenas de acordo com informações fornecidas por vários organismos humanitários.

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al Hussein, condenou a violência e denunciou a polícia e grupos pró-governamentais.

"Na Nicarágua, os protestos anti-governamentais dos últimos dois meses levaram à morte de pelo menos 178 pessoas, praticamente todas às mãos da polícia, grupos armados pró-governamentais incluindo o alegado uso de atiradores furtivos. Eu deploro a violência, incluindo o incidente de fogo posto ocorrido há dois dias. A gravidade destes desenvolvimentos pode merecer uma comissão internacional de inquérito", afirmou Zeid Ra'ad al Hussein.

Na segunda-feira, a Conferência Episcopal, encarregada de mediar o diálogo com o governo, suspendeu os trabalhos afirmando que o governo não apresentou cópias das cartas de convite alegadamente enviadas aos organismos internacionais.

Entre estes conta-se a Comissão Interamericana para os direitos humanos, a União Europeia e a Secretária-geral da Organização de Estados Americanos.

Esta terça-feira, o governo anunciou que vai retomar o diálogo propondo a criação de comissões locais de paz e fim de travar o que descreve como a onda terrorista que se apoderou do país.