Última hora

Última hora

"A oposição turca devia ser apoiada pela UE"

Em leitura:

"A oposição turca devia ser apoiada pela UE"

"A oposição turca devia ser apoiada pela UE"
Tamanho do texto Aa Aa

Quase 60 milhões de eleitores turcos foram chamados a pronunciar-se nestas eleições presidenciais e legislativas. Com a quase totalidade dos votos contados, foi declarada a vitória de Recep Tayyip Erdogan e do seu partido, o AKP. Falámos com Ece Temelkuran, uma das jornalistas políticas e escritoras mais conhecidas do país, crítica assumida do governo.

Catherine Hardy, euronews: Como olha para tudo o que aconteceu durante a última noite eleitoral?

Ece Temelkuran, jornalista e escritora: Acho que o poder turco pretende passar uma mensagem de que vai defender a democracia, que o país vai manter-se aberto ao Ocidente e que tem como objetivo consolidar uma sociedade pluralista. E ainda que a União Europeia tem de os levar a sério. Relembro que o senhor Erdogan foi apoiado pelos países ocidentais, sobretudo durante o primeiro mandato no poder em 2002.

Eu diria que há muita gente na Turquia que, tal como eu, considera agora que a oposição devia ser apoiada, pelo menos moralmente, pela União Europeia e pelos poderes democráticos europeus.

Aquilo que temos denunciado, e que nos tem deixado muito frustrados, é o sentimento de imprevisibilidade a todos os níveis. Não apenas na política externa, mas também a nível interno. É claro que isso não é uma surpresa, tendo em conta que o destino do país se encontra nas mãos de um só homem. E esse homem, o presidente Erdogan, não é propriamente conhecido por aceitar críticas. É um homem temperamental, que impõe as suas próprias condições. Ou seja, é muito imprevisível. Mas é interessante relembrarmos uma das promessas eleitorais de Erdogan: "mais justiça, mais liberdade".

A oposição conseguiu, de facto, gerar um entusiasmo incrível entre aqueles que estão contra este regime de um só homem. Termos todas as fações do espetro político unidas contra Erdogan foi inédito. Não pessoal mente contra Erdogan, mas contra o regime que este criou nos últimos 15, 16 anos. Por isso é que havia tantas expetativas depositadas nestas eleições.

O sentimento de desamparo e desespero é tão grande que se tornou quase palpável. Vai ser preciso algum tempo para que as pessoas possam recuperar desta desilusão e voltem a trabalhar e a apoiar as ações políticas da oposição.