Última hora

Última hora

Nicaraguenses denunciam repressão governamental

Em leitura:

Nicaraguenses denunciam repressão governamental

Nicaraguenses denunciam repressão governamental
Tamanho do texto Aa Aa

Na Nicarágua, um acampamento improvisado foi erigido no exterior da prisão de El Chipote, em Manágua.

"Todos os dias há cinco ou sete mortos. E cerca de 20, 30, 40 são raptados pelo governo"

José Medina Familiar de detido

É aqui que todos os dias se dirigem familiares de manifestantes da oposição detidos nos protestos antigovernamentais dos últimos três meses.

Os familiares procuram informações sobre os seus familiares e contam com o apoio de ONGs que já denunciaram atos de tortura.

"Conhecemos casos em que as pessoas foram sujeitas a torturas com água e com trapos na boca. Recebemos outras denúncias de jovens e de mulheres que foram vítimas de violações pela polícia nacional e forças paramilitares", adianta Braulio Abarca, ativista do Centro nicaraguense para a Defesa dos Direitos Humanos.

As ONGs contam pelo menos três centenas de pessoas distribuídas por várias prisões.

Os familiares prestam apoio alimentar aos detidos e preparam processos judiciais.

"Dormimos aqui, a céu aberto. À espera que se faça justiça e que libertem os nossos filhos" afirma Margarita Ortiz, outra mulher que aguarda a libertação de um familiar.

No exterior da prisão a euronews encontrou José Medina que nos disse que não conseguiu visitar o familiar que se encontra detido.

"Isto não é justo. Todos os dias há cinco ou sete mortos. E cerca de 20, 30, 40 são raptados pelo governo, polícia e forças paramilitares. Acho que o governo de Daniel Ortega e Rosario Murillo insistem em permanecer no poder à custa do sangue dos nicaraguenses", afirma Medina.

Há mesmo quem não saiba em que prisão se encontram os familiares. É o caso de Maribel Martínez.

"Ele foi detido em casa. Estava lá com a filha, Bateram-lhe muito. Depois levaram-no numa carrinha. Mas não sabemos para onde. Em Masaya disseram-nos que estava aqui. Agora estão mandar-nos para outro departamento", afirma.

Agora, todos receiam que o número de detenções vai aumentar.

O corresponde da euronews em Manágua, Héctor Estepa, afirma:

"Três meses de protestos antigovernamentais provocaram mais de 350 mortos e milhares de feridos. Os manifestantes da oposição denunciam a repressão levada a cabo por civis armados leais ao presidente Daniel Ortega. O governo discorda, afirma que a oposição está a ser paga por outros países e denuncia uma tentativa de golpe de estado".