Última hora

Última hora

Greve histórica na Ryanair

Em leitura:

Greve histórica na Ryanair

Greve histórica na Ryanair
Tamanho do texto Aa Aa

Muito poucos ou quase nenhuns aviões da transportadora aérea de baixo custo Ryanair deverão levantar voo de Espanha, Portugal, Bélgica ou Itália, entre hoje e amanhã.

Tripulantes de cabine que trabalham afetos a estas bases avançaram para a greve. O movimento de contestação começou esta quarta-feira e prolonga-se por mais um dia em nome da aplicação da legislação laboral nacional e não da Irlanda, país de origem da empresa.

Em causa estão, entre outras coisas, termos de gozo da licença de parentalidade, garantia de ordenado mínimo e a anulação de processos disciplinares por motivo de baixas médicas ou vendas a bordo dos aviões aquém das metas definidas pela Ryanair.

Em período crítico por causa das férias, a companhia aérea tranquilizou, através do Twitter, os passageiros dizendo que poderão ser reembolsados pelo valor dos voos cancelados.

De acordo com informações divulgadas pela ANA - Aeroportos de Portugal, às 07h30 desta quarta-feira já estavam cancelados dez voos: seis com partida de Lisboa e do Porto e quatro com destino à "cidade Invicta."

A transportadora, que voa para mais de 30 países, alega que os trabalhadores têm algumas das melhores condições no setor de baixo custo.