This content is not available in your region

Protestos no Chile já fizeram pelo menos 13 mortos

Access to the comments Comentários
De  João Paulo Godinho
Protestos no Chile já fizeram pelo menos 13 mortos
Direitos de autor  REUTERS/Juan Gonzalez   -  

Os protestos no Chile causaram pelo menos 13 mortos, segundo um novo balanço feito hoje pelas autoridades. Segundo o Ministério da Saúde já se registaram também mais de 230 feridos civis e pelo menos 50 feridos entre polícias e militares.

A capital Santiago foi o epicentro do descontentamento social, com as manifestações a pararem a cidade. Em resposta, o exército avançou com canhões de água e gás lacrimogéneo.

No entanto, muitos ainda desrespeitaram o terceiro dia de recolher obrigatório na região metropolitana de Santiago, uma medida que já está a ser aplicada em 11 das 16 regiões do país perante a continuação dos distúrbios.

Numa tentativa de encontrar uma solução para travar a violência, o presidente chileno, Sebastian Piñera, agendou para esta terça-feira uma reunião com todos os partidos para construir um novo "contrato social" que dê resposta às reivindicações da população. Na agenda de Piñera devem surgir medidas para reforçar o sistema de pensões, a redução do preço dos medicamentos e o investimento na melhoria dos cuidados médicos.

A nível internacional, as Nações Unidas não deixaram de mostrar a preocupação com a crise chilena e apelam ao "respeito pelo Estado de direito".

"A delegação da ONU no Chile lamenta, em particular, o grande número de pessoas, incluindo menores e membros da polícia, que foram feridos durante estes incidentes", afirmou Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres.

Entretanto, a contestação atravessou a fronteira e fez-se sentir junto ao consulado chileno em Buenos Aires, na Argentina. Centenas de manifestantes encheram as ruas e apontaram o dedo a Sebastian Piñera como o grande responsábel pela crise.

Os protestos nasceram na última semana na sequência de uma subida do preço dos bilhetes de metro na capital, tendo-se espalhado para diversas cidades do país, com barricadas, incêndios e saques.

Outras fontes • EFE / Lusa / Reuters