This content is not available in your region

Rússia fecha portas aos cidadãos chineses

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Rússia fecha portas aos cidadãos chineses
Direitos de autor  afp

Os receios face à epidemia de coronavírus levaram a Rússia a bloquear, a partir desta quinta-feira, a entrada a cidadãos chineses, independentemente dos custos para o setor do turismo e do impacto no mercado de trabalho.

Oficialmente, já não há qualquer contaminado com o Covid-19 no território russo, desde a alta hospitalar dada, na semana passada, a dois pacientes chineses.

Tatiana Golikova, vice-primeira-ministra russa: "Temos o surto de febre sasonal e, devido ao facto de que as nossas organizações médicas já estão sobrecarregadas neste período, pensámos que era necessário endurecer as regras, até que a China adapte as medidas restritivas necessárias."

Moscovo já tinha fechado os mais de 4000 quilómetros de fronteira terrestre com a China, cortado as ligações ferroviárias e restringido o número de voos de e para cidades chinesas.

Ivan Vvedensky, presidente da Comissão de Apoio e Desenvolvimento do Turismo: "No início de janeiro as nossas previsões eram mais otimistas, pensávamos que o mercado iria recuperar até ao verão, mas agora percebemos que esta época turística está arruinada."

O Kremlin precisou, no entanto, que o bloqueio aos cidadãos chineses é parcial e afeta os que viajam por turismo ou motivos privados e os que requerem vistos de estudante ou trabalho. Os que pedem vistos de negócios, de trânsito, humanitários ou oficiais poderão continuar a entrar em território russo.

Galina Polonskaya, euronews: "Os arredores do Kremlin estão particularmente vazios, em contraste com os grupos de turistas chineses que aqui se encontram habitualmente. As novas medidas afetam não apenas o setor do turismo russo que aposta claramente na China, mas também outras áreas, como a agricultura, que incorporam um grande número de trabalhadores chineses. Para já, é difícil medir o impacto real das medidas de bloqueio."