This content is not available in your region

Talibãs negoceiam novo governo no Afeganistão

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Talibãs negoceiam novo governo no Afeganistão
Direitos de autor  Rahmat Gul/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.   -  

A presença musculada dos talibãs nas ruas de Cabul afirma de forma inequívoca que o país está nas mãos de novos donos. A dúvida, agora, no Afeganistão reside em saber como será o próximo governo.

Ashraf Ghani, eleito presidente em 2014 e entretanto deposto fugiu para os Emirados Árabes Unidos, onde se encontra com a família.

Esta quarta-feira, o político e economista, considerado por muitos um especialista em estados falidos, falou publicamente pela primeira vez desde a tomada do país e diz que tenciona voltar.

"Não tinha a intenção de fugir e abandonar o país. Estou atualmente nos Emiratos para evitar um derramamento de sangue. E estou em consultas para regressar ao Afeganistão e juntos continuarmos a luta pela garantia de justiça, a soberania afegã e para restaurar os valores islâmicos reais e os feitos nacionais", afirmou em vídeo Ashraf Ghani.

Responsáveis talibãs reuniram-se esta quarta-feira em Cabul com o ex-presidente afegão Hamid Karzai e Abdullah Abdullah, ex-vice-presidente e líder do Conselho para a Reconciliação Nacional, relata o grupo de vigilância dos sites islamistas SITE.

O encontro decorreu pouco tempo depois de o grupo ter afirmado querer formar um governo inclusivo e estar disposto a perdoar os adversários.

Mas à medida que líderes políticos talibãs regressam do exílio, multidões no aeroporto de Cabul continuam desconfiadas das intenções de paz e a tentar sair do Afeganistão.

O caos seria sempre "inevitável" com a saída da NATO, defendeu o presidente norte-americano Joe Biden. Desde 14 de agosto, informa a Casa Branca, os Estados Unidos da América transportaram seis mil pessoas para fora do país

Forças estrangeiras mantêm os esforços de evacuação na capital, para fazer sair cidadãos nacionais e afegãos em situação vulnerável. No entanto, apesar das promessas de uma passagem segura, relatos dão conta de mulheres e crianças agredidas pelos talibãs ao tentarem chegar às pistas de aterragem.