This content is not available in your region

Dmitri Medvedev acusado de tentar interferir nas eleições em Itália

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP
Dmitri Medvedev, ex-presidente russo
Dmitri Medvedev, ex-presidente russo   -   Direitos de autor  Ernesto Mastrascusa/Copyright 2019 The Associated Press   -  

O Ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Luigi Di Maio, reagiu às declarações do ex-presidente russo e atual vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional, Dmitri Medvedev, acusando-o de tentar interferir na campanha eleitoral para as eleições gerais de 25 de setembro.

Uma posição partilhada por muitos mas não pelo ex-vice primeiro-ministro Matteo Salvini que ia dizendo que são os italianos que vão às urnas, não os russos e que não está interessado em controvérsias com o resto do mundo. As ligações do líder da Liga à Rússia têm estado sob escrutínio. 

Medvedev afirmou que gostariam de ver os cidadãos europeus a "expressar descontentamento" pelas ações dos seus governos e a puni-los pela sua "evidente estupidez". Palavras que desagradaram a quem se tem batido contra a invasão russa da Ucrânia.

No final de julho, o secretário-geral do Partido Democrático, e antigo primeiro-ministro, Enrico Letta, alertava para o risco de desinformação e interferência por parte de Moscovo que poderia beneficiar a direita e a extrema-direita

Medvedev tinha sido já protagonista de episódios idênticos. As crises governamentais no Reino Unido e Itália, que puseram fim aos governos de Boris Jonhson e Mario Draghi, dois ferozes apoiantes da Ucrânia, viu-as com satisfação.

Outras fontes • KREM