This content is not available in your region

O museu M+ e a cena cultural em Hong Kong

De  Chris Burns  & euronews
O museu M+ e a cena cultural em Hong Kong
Direitos de autor  euronews   -  

Hong Kong quer afirmar-se como um local incontornável no mundo da arte a nível global.

Desde a abertura, no final do ano passado, o museu M+ tem organizado uma série de atividades na área das artes visuais. 

A ambição do museu M+

“Já recebemos mais de um milhão de pessoas desde a abertura em novembro. O museu encarna a nossa ambição, quer se trate do grande ecrã LED na ilha de Hong Kong ou da forma como as pessoas estão a interagir com os nossos cinemas, o centro de aprendizagem, ou como olham para as coleções", disse à euronews Suhanya Raffel, directora do Museu, M+.

Os tesouros artísticos da China

O Museu do Palácio de Hong Kong exibe obras do museu de Pequim.  "Pela primeira vez, Hong Kong tem um museu de classe mundial sobre arte tradicional chinesa. O museu mostra os tesouros artísticos nacionais, emprestados pelo Museu do Palácio numa base permanente", afirmou Louis Ng, diretor do Museu do Palácio.

Uma arca térmica do século XVIII, fabricada durante a dinastia Qing, é uma das obras em exposição.

“A arca térmica foi criada a partir de um maravilhoso trabalho de metal. O imperador conservava o gelo durante o Inverno nas arcas. Durante o verão, cortava-se o gelo. E depois esse gelo era colocado em arcas bem decoradas", explicou o diretor da instituição.

O projeto Oi! para artistas jovens

A remodelação de um bairro artístico que alberga agora o projeto Oi! é um dos projetos emblemáticos da revitalização da cidade.

"Queremos construir uma imagem de espaço jovem e enérgico, para jovens artistas e para a comunidade. No ecossistema da arte e da cultura de Hong Kong, que tem sido desenvolvido e que tem sido diversificado, nos últimos anos, o projeto Oi! desempenha o papel de incubadora para os artistas jovens", salientou Lesley Lau, chefe do Gabinete de Promoção da Arte em Hong Kong.

Os curadores do projeto Oi trabalham com artistas locais. "Convidámos seis artistas a experimentarem as suas ideias. O projeto dá aos artistas locais a oportunidade de realizar ideias e conceitos, de forma gratuita, sem serem obrigados a vender as obras. Podem fazer experiências no âmbito do projeto Oi", contou Cheung Yung, curadora do Gabinete de Promoção da Arte em Hong Kong.

Além da aposta na cultura, Hong Kong quer promover a qualidade de vida na cidade.

"O bairro cultural de West Kowloon acrescenta algo importante à cidade, porque alberga instituições culturais situadas num parque. Isso dá-nos uma sensação de bem-estar, especialmente agora, num contexto de pandemia. É um sítio para descansar, virado para a aprendizagem, o prazer, os desafios”, resumiu a diretora do Museu, M+.