This content is not available in your region

Os protestos alastram no Irão depois da morte de Mahsa Amini

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Protestos nas ruas de Teerão, Irão
Protestos nas ruas de Teerão, Irão   -   Direitos de autor  AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Em gestos de desafio, muitas mulheres iranianas continuam a queimar os lenços com que são obrigadas a cobrir os cabelos, em público.

Subiu para seis o número de mortos nos protestos em curso por todo o Irão na sequência da morte da jovem Mahsa Amini.

A polícia tem utilizado gás lacrimogéneo para dispersar os protestos, por vezes violentos. Dezenas de pessoas têm sido presas.

Muitas iranianas, em particular as jovens, veem a morte de Amini o resultado do pesado policiamento e do tratamento cada vez mais violento das mulheres jovens por parte da polícia dos costumes.

Há manifestantes que gritam na rua "morte ao ditador", visando tanto o governo do Líder Supremo Ali Khamenei como a teocracia iraniana, apesar da ameaça de prisão, o e até mesmo a possibilidade de uma sentença de morte.

Os protestos começaram nas redes sociais e estão desde sábado nas ruas, sobretudo no Curdistão iraniano, terra natal de Mahsa Amini.

A jovem tinha 22 anos e foi detida a 13 de setembro em Teerão por não ter o cabelo completamente coberto. Morreu três dias depois, após entrar em coma.

A polícia nega ter sido maltratada e diz que Amini morreu de ataque cardíaco. O Presidente Ebrahim Raisi, prometeu uma investigação.

A família de Amini diz que ela não tinha historial de problemas cardíacos e que foram impedidos de ver o seu corpo antes de ela ser enterrada. As manifestações irromperam após o seu funeral na cidade curda de Saqez no sábado, e rapidamente se espalharam por outras partes do país, incluindo Teerão.

As Nações Unidas manifestam "preocupação com a morte sob custódia de Mahsa Amini e com a reação violenta das forças de segurança às manifestações".

O Irão exige que as mulheres usem o lenço de cabeça de uma forma que cubra completamente o seu cabelo quando em público. Apenas o Afeganistão, sob o regime talibã, impõe agora ativamente uma lei semelhante. Nos últimos anos, a Arábia Saudita ultraconservadora, voltou a chamar a atenção para a sua aplicação.

As mulheres iranianas têm pleno acesso à educação, trabalham fora de casa e ocupam cargos públicos, mas são obrigadas a vestir-se modestamente em público, o que inclui o uso do hijab, bem como de túnicas longas e soltas. Os homens e mulheres solteiros estão proibidos de se misturarem.

Regras trazidas com a Revolução Islâmica

As regras, que remontam aos dias após a Revolução Islâmica de 1979, são aplicadas pela polícia dos costumes. A força, oficialmente conhecida como a Patrulha de Orientação, está estacionada em áreas públicas. É constituída tanto por homens como por mulheres.

A aplicação da lei foi aligeirada sob o antigo presidente Hassan Rouhani, relativamente moderado, mas sob o comando de Raisi, um membro da linha dura eleito no ano passado, os agentes da polícia dos costumes recuperaram mais poder.

Os líderes iranianos prometeram investigar as circunstâncias da morte de Amini enquanto acusavam países estrangeiros sem nome e grupos de oposição exilados de se aproveitarem dela como um pretexto para fomentar a agitação. 

Os clérigos no poder do Irão encaram os Estados Unidos como uma ameaça à República Islâmica e acreditam que a adoção dos costumes ocidentais mina a sociedade. O próprio Khamenei apreendeu os chamados protestos "coloridos" na Europa e noutros locais como intervenções estrangeiras - e não como pessoas que se manifestam por mais direitos.

As tensões têm sido especialmente elevadas desde que o ex-presidente Donald Trump se retirou do acordo nuclear de 2015 com o Irão e impôs sanções devastadoras.

 A administração Biden tem vindo a trabalhar com aliados europeus nos últimos dois anos para reavivar o acordo, que continua bloqueado.