This content is not available in your region

Volodymyr Zelenskyy pede apoio à Europa para "vencer o terror"

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
Sessão do Conselho da Europa
Sessão do Conselho da Europa   -   Direitos de autor  AP Photo/Jean-Francois Badias   -  

A Ucrânia precisa que os seus parceiros internacionais lhe forneçam "sistemas de defesa aérea", para proteger os ucranianos e o seu território do "terror" russo. Foram estas as palavras utilizadas pelo presidente ucraniano numa intervenção no Conselho da Europa, desta quinta-feira. 

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy tem deixado claro, repetidamente, que o seu país precisa de armas mais avançadas para continuar a luta contra o invasor mas frisou, esta quinta-feira, que a vitória está mais perto do que se possa imaginar basta aumentar o apoio ao seu país. 

O líder ucraniano, que foi o convidado da sessão, agradeceu o apoio que tem sido dado mas pediu mais, frisando que "juntos" vão "isolar a Rússia, (...) puni-la pelo terror e fazê-la sentir o custo da guerra que começou"

"A Rússia só quer usar a linguagem do terror. Esse é um facto que deve ser reconhecido a todos os níveis - político, judicial e no campo de batalha na Ucrânia - incrementando as nossas capacidades de defesa. Estou-vos grato por a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa poder tornar-se na primeira organização internacional a definir a Rússia como um Estado terrorista".
Volodymyr Zelenskyy
Presidente da Ucrânia

O chefe de Estado ucraniano pediu ainda a criação de um "tribunal especial" para lidar com os crimes de guerra cometidos pelas forças russas na Ucrânia. Zelenskyy instou a Europa a desempenhar um papel de liderança na criação deste órgão.

Conselho da Europa sem a Rússia

A Rússia foi expulsa do Conselho da Europa na sequência da invasão da Ucrânia. A organização internacional europeia foi criada no pós-guerra, em 1949, para defender os Direitos Humanos, a Democracia e o Estado de direito, no velho continente.

Valores que o organismo considera que estão a ser postos em causa por Moscovo que, esta semana, prosseguiu com a sua incursão pelo território ucraniano e lançou uma bateria de ataques utilizando drones, artilharia pesada e mísseis.