This content is not available in your region

Qatar 2022 aposta na acessibilidade dos estádios para pessoas com deficiência

De  euronews
Qatar 2022 aposta na acessibilidade dos estádios para pessoas com deficiência
Direitos de autor  euronews   -  

Os organizadores do Mundial de Futebol no Qatar implementaram várias medidas para tornar o evento acessível para pessoas com deficiência.

Para o Qatar 2022, a acessibilidade implicou uma reflexão global. “Penso que está tudo a postos para que esta seja a edição mais acessível do Campeonato Mundial de Futebol da FIFA. O trabalho começou há muito tempo, incluiu membros da comunidade de deficientes, através da implementação dos mais elevados padrões de qualidade nos locais de torneio. Queremos que o torneio desempenhe um papel transformador para assegurar que todo o país se torne mais acessível", afirmou Ahmed Habib, especialista do comité governamental responsável pela supervisão do evento.

E acrescentou: "Temos oito estádios novos em folha. Damos a oportunidade aos utilizadores de cadeiras de rodas, como eu, de se poderem sentar em várias áreas do estádio e ter vários pontos de vista".

Uma sala sensorial para crianças e jovens autistas

O evento propõe também uma sala sensorial, para crianças com autismo ou outras deficiências cognitivas, um espaço calmo e seguro que ajuda a reduzir o nível ansiedade.

"A maioria das pessoas  neurodivergentes pode sentir-se incomadada pelo ruído e pela iluminação, há ambientes que podem ser muito desconfortáveis para essas pessoas. A sala sensorial pode desempenhar um papel a esse nível. Os ambientes que criámos destinam-se a acalmar e relaxar as pessoas", disse à euronews Sana Abu Majeed, terapeuta da Academia Renad, da Fundação Qatar.

A acessibilidade é mais do que prever rampas

Sabika Shaban fundou uma organização para reunir todas as partes interessadas na problemática da acessibilidade no Qatar. "O movimento a favor da acessibilidade é um desafio. Estamos a falar de necessidades muito diversas. E preciso dar a entender que a acessibilidade é mais do que instalar uma rampa e fornecer sinais em braille. É uma questão mais complexa do que se pensa. A FIFA tem feito um trabalho impressionante ao destacar e dar visibilidade a certas vozes. Por exemplo, integrar essas vozes em cada etapa do processo, ao nível da arquitetura dos estádios, da conceção da experiência dos adeptos, o que criou uma espécie de precedente", sublinhou a especialista.

Ghanimeh El-Taweel  participou na auditoria final do Education City Stadium e fez várias recomendações em matéria de acessibilidade. “Avaliámos o metro e o elétrico. O elétrico integra um dispositivo para cadeira de rodas. Era suposto a pessoa ter de solicitá-lo antes de andar de elétrico. Nós dissemos que não deveria ser preciso pedi-lo, devia estar sempre disponível. Dissemos que não havia necessidade de colocá-lo num sítio fechado e isso também vai mudar", disse Ghanimeh El-Taweel, instrutora da Universidade Hamad Bin Khalifa.

A responsável considera que que as pessoas com deficiência devem fazer parte do processo de organização dos eventos desde o início.

"Não estamos aqui apenas para que eles coloquem ok numa ficha e digam: 'já está, falámos com as pessoas da comunidade de deficientes'. O nosso contributo é valioso. Conhecemos as nossas necessidades mais do que qualquer outra pessoa. E olhamos para a situação geral e para a experiência pessoal", explicou a responsável.