Falta de peças dificulta reparações na rede elétrica da Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Trabalhadores reparam linhas elétricas na região de Donetsk, Ucrânia.
Trabalhadores reparam linhas elétricas na região de Donetsk, Ucrânia.   -   Direitos de autor  ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors

As imagens de destruição que chegam da Ucrânia estão a mudar. Cada vez mais, centrais de energia em destroços e cidades às escuras mostram os novos alvos dos bombardeamentos russos. Com o inverno à porta e pelo menos 40% das infraestruturas energéticas destruídas pela guerra, a Ucrânia vive em contrarrelógio para reparar os danos. mas a falta de peças está a dificultar as operações.

Os pedidos de ajuda à União Europeia multiplicam-se, sem que os Estados-mebros consigam dar resposta à escassez.

Artur Lorkowski, diretor do Secretariado da Comunidade da Energia, uma organização internacional com sede em Viena, Áustria, explica que "há uma parte diferente do equipamento necessário, que é difícil de encontrar no mercado europeu devido às diferenças nas normas técnicas e nos níveis de voltagem entre a Ucrânia e a União Europeia".

A Ucrânia importa eletricidade da União Europeia através de redes interligadas. Mas as diferenças de voltagem entre as duas potências obrigam à existência de grandes transformadores de energia nas fronteiras com os Estados-membros.

Alvos dos ataques aéreos da Rússia, esses equipamentos são hoje um bem escasso. Mas fabricá-los e transportâ-los para a Ucrânia pode demorar pelo menos seis meses.

De forma a estimular os fabricantes europeus a corresponder à necessidade de peças na Ucrânia, o Secretariado da Comunidade da Energia "criou também um fundo que permite aos potenciais doadores contribuir financeiramente para o processo de aquisição desses artigos no mercado europeu, de modo a que estes artigos específicos possam ser produzidos por empresas europeias", acrescenta o diretor da organização.

No início de novembro, o Fundo de Apoio à Ucrânia contava com pouco mais de 25 milhões de euros em doações. O montante, dizem as organizações envolvidas, é uma gota no oceano das necessidades para aquecer os milhões de ucranianos que atualmente estão sem acesso a eletricidade.