This content is not available in your region

Intervenção europeia contra a Síria

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Intervenção europeia contra a Síria

<p>Marianne, Lyon, França:</p> <p>“Sou francesa de origem síria e preocupo-me com o destino do meu país. Pergunto-me se posso esperar uma intervenção política ou militar da União Europeia na Síria?”</p> <p>Paolo Magri, diretor do <span class="caps">ISPI</span> (Instituto de Estudos Políticos Internacionais), Itália:</p> <p>“A hipótese de uma intervenção militar exclusivamente europeia na Síria é muito pouco provável por razões militares e estratégicas, mas também políticas e económicas”.</p> <p>“Estratégicas e militares porque – como vimos na Líbia – a força militar europeia não está em condições de intervir sozinha, sem a tecnologia americana, mesmo em cenários relativamente simples como a Líbia, agora imaginemos na Síria!”.</p> <p>“Por razões políticas e económicas, porque a Europa está concentrada na sua própria crise – vimos isso nas eleições dos últimos dias: é difícil a um político europeu justificar aos seus eleitores uma intervenção dispendiosa e difícil numa crise que, se bem que grave, é considerada longínqua”.</p> <p>“O que é admissível, é que a Europa prossiga com a política de sanções, de sanções económicas que foram e continuam a ser difíceis para o regime sírio, porque a Europa é o primeiro parceiro comercial da Síria e o primeiro importador. A Europa importa 95% do petróleo sírio”.</p> <p>“A situação pode mudar se o plano Annan for um fracasso total e se, por causa do falhanço do plano Annan, a Rússia e a China decidam não colocar vetos. Nesse momento surgiria provavelmente espaço para uma intervenção militar no quadro das Nações Unidas.</p> <p>E nesse caso – e hoje ainda estamos longe disso – é possível que certos países europeus deem a sua contribuição para esta força.</p> <p>Para colocar a sua questão clique no link abaixo:</p>