This content is not available in your region

Roménia poderá "desperdiçar" presidência da UE

Access to the comments Comentários
De  Ana LAZARO
Roménia poderá "desperdiçar" presidência da UE

Pela primeira vez à frente da presidência semestral da União Europeia, a partir de 1 de janeiro, a Roménia vai coordenar a agenda de reuniões num momento de grande tensão com a Comissão Europeia.

A Roménia poderá serguir o caminho da Polónia e da Hungria, que estão em conflito aberto com a Comissão Europeia

Ramona Coman Diretora, Instituto de Estudos Europeus

Em causa está a reforma do sistema judicial e recuos na luta contra a corrupção, muito criticados pelo executivo europeu que, no mês passado, adotou um relatório duro contra o governo de centro-esquerda no poder.

A analista Ramona Coman, diretora do Instituto de Estudos Europeus, faz paralelo com outros dois casos: "Se o governo continuar a tentar aprovar, a qualquer preço, a nova legislação sobre perdões e amnistia a pessoas acusadas de corrupção, certamente haverá tensões porque a Comissão Europeia já fez advertências. Se assim for, a Roménia seguirá o caminho da Polónia e da Hungria, que estão em conflito aberto com a Comissão Europeia sobre a questão da independência da justiça".

Na União desde 2007, a Roménia tem, agora, oportunidade de brilhar no palco europeu e internacional, podendo influenciar as prioridades da agenda.

Mas o país parece pouco ambicioso, tendo apresentado, até agora, ideias vagas sobre temas como a migração, a gestão de fronteiras ou, mesmo, a política de coesão de que o país tanto poderia beneficiar, segundo a analista.

"A Roménia é um país que precisa de maior coesão porque é um dos países onde a pobreza e a exclusão social atingem um dos níveis mais altos na Europa, em conjunto com a Bulgária. Não sei se ter o exercício da presidência resolverá este problema muito importante. Mas seria uma oportunidade para o governo repensar as suas prioridades, que não devem apenas ser prioridades no papel, mas prioridades reais para o desenvolvimento socioeconómico do país", referiu Ramona Coman.

O país passa a conduzir agora os debates sobre algumas das questões mais quentes para o destino da União Europeia: a concretização do Brexit e as eleições europeias.

A seu favor está o facto de que trabalhará já em grande coordenação com a Finlândia, país que lhe sucederá no segundo semestre de 2019.

Nome do jornalista • Isabel Marques da Silva