This content is not available in your region

Líderes europeus afastam iniciativa de cimeira com Putin

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Líderes europeus afastam iniciativa de cimeira com Putin
Direitos de autor  JOHANNA GERON/AFP or licensors   -  

Na cimeira de líderes europeus em Bruxelas ficou claro até que ponto o debate sobre a Rússia pode gerar divisões.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) discutiram as relações com Moscovo até tarde no primeiro dia do encontro, que arrancou esta quinta-feira. Mas a proposta franco-alemã de uma cimeira com o presidente russo Vladimir Putin acabou por ser rejeitada: pelos países Bálticos, pela Polónia ou pela Suécia, por exemplo.

Para alguns ainda é cedo para um encontro ao mais alto nível, pelo que a postura rígida em relação a Moscovo deverá manter-se, se necessário com mais sanções económicas.

A chanceler alemã, Angela Merkel, não escondeu a desilusão por se preterir uma cimeira, nos mesmos moldes do encontro do presidente Joe Biden com Putin.

"Penso que uma União Europeia soberana, como a vejo, também deveria estar em posição de representar os interesses da UE num formato semelhante e defender nossos interesses. Estas conversas mostraram que o Conselho da UE ficou satisfeito com um relatório do presidente dos EUA sobre o diálogo com Vladimir Putin”, sublinhou Merkel.

Mais consensual foi a condenação à nova lei anti-comunidade LGBTQI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero, Queer e Intersexuais) recentemente aprovada pela Hungria.

O debate foi descrito como sincero, até emotivo. Com alguns Estados-membros - como os Países Baixos - a convidarem o primeiro-ministro Viktor Orbán a deixar a UE se não partilhar os valores europeus.

"A maioria de nós foi muito clara em relação ao facto de que a nova lei húngara vai contra os nossos valores. E a cultura de tolerância e aceitação é um alicerce contra a discriminação. Protegeremos todos os nossos cidadãos, onde quer que eles vivam na nossa União e independentemente de quem amem", referiu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

As relações com a Turquia também estiveram em cima da mesa. Os líderes europeus pressionaram Ancara a respeitar os direitos humanos fundamentais. Ao mesmo tempo querem continuar a colaborar com a Turquia, devendo libertar mais financiamento para ajudar o país a travar o fluxo de migrantes e refugiados.