This content is not available in your region

NATO: adesão da Finlândia e Suécia sujeita a ratificação dos aliados

Access to the comments Comentários
De  Méabh Mc Mahon
euronews_icons_loading
Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO
Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO   -   Direitos de autor  euronews

Com os protocolos de adesão à NATO para a Suécia e a Finlândia assinados esta terça-feira inicia-se agora o processo de ratificação, por parte dos parlamentos nacionais dos países membros da Aliança Atlântica.

A Dinamarca já deu "luz verde", mas o parlamento turco representa uma ameaça, por causa da possibilidade de bloqueio.

Ancara pede a extradição de uma série de suspeitos de terrorismo com ligações a grupos curdos, mas em entrevista à Euronews, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que isso não vai atrasar a expansão da Aliança e que o processo pode ser relativamente célere.

"Até agora, este foi o processo de adesão mais rápido na história da NATO. Os pedidos foram apresentados à NATO em meados de maio. Agora já tomámos uma decisão política e assinámos os protocolos de adesão. O próximo passo será a ratificação em 30 parlamentos diferentes, em 30 países aliados. Sou muito cuidadoso em prever ou prometer qualquer coisa antes de os parlamentos se pronunciarem, mas da última vez demorou cerca de um ano e muitos aliados disseram que podem tentar ser mais rápidos desta vez. Falamos sobre o máximo como falamos sobre meses", referiu Stoltenberg.

Méabh Mc Mahon, Euronews - acredita que o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, é um pouco imprevisível e que poderia tentar chantagear a aliança no futuro?

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO - a mensagem principal é que há um documento que fornece uma boa plataforma para a Turquia, Finlândia e Suécia trabalharem ainda mais em conjunto no combate ao terrorismo. Esse é um objetivo comum que todos entendem ser necessário combater, o terrorismo em todas as suas formas. Congratulo-me com o fato de quererem trabalhar mais juntos para fazer exatamente isso.

Méabh Mc Mahon, Euronews - O Kremlin e o presidente russo estão a observar de longe tudo isto. Em breve, haverá uma fronteira de 1300 quilómetros com a NATO e as tensões podem aumentar. Está preparado para isso?

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO - os nossos mecanismos coletivos de defesa dizem que um ataque a um aliado precipitará a resposta de toda a aliança. Um por todos, todos por um. É exatamente por isso que também fortalecemos a nossa presença na parte oriental da aliança, perante a brutal invasão russa da Ucrânia, agora com mais de 40 mil soldados. E isso não é para provocar um conflito, mas para evitar o conflito, para preservar a paz e a Finlândia e a Suécia farão parte disto em breve.