Ministros europeus da energia ainda sem acordo sobre preço do gás

Access to the comments Comentários
De  euronews
Comissária europeia da energia, Kadri Simson (esq.)
Comissária europeia da energia, Kadri Simson (esq.)   -   Direitos de autor  Olivier Matthys/Copyright 2022 The AP. All rights reserved

Discussão acalorada e opiniões muito divergentes foram algumas das palavras utilizadas para descrever a reunião de ministros europeus da energia realizada esta quinta-feira em Bruxelas e que terminou sem um acordo.

No centro do conflito está o limite de preço para o gás de 275 euros/MwH proposto pela Comissão Europeia.

O limite de preço máximo é tão alto que nem mesmo em agosto passado, quando os preços do gás bateram recordes na Europa, este mecanismo teria sido activado no passado.

Para a maioria dos estados membros, isto não é aceitável.

"O mecanismo tem três problemas graves: concepção, preço e condições. Por outras palavras, os três elementos centrais estão mal pensados. Parece ter sido concebido precisamente para nunca ser aplicado, e isto parece-nos ser uma piada de mau gosto por parte da Comissão", denuncia Teresa Ribera, vice-presidente de Espanha e ministra da Transição Ecológica.

Um grupo reduzido de países, liderado pela Alemanha e os Países Baixos, não quer intervir no mercado ao mesmo tempo que estão preocupados com o impacto no abastecimento de gás na Europa.

"A proposta que está agora em cima da mesa relativamente ao mecanismo de mercado é deficiente. Existe um grande risco de prejudicar a segurança do aprovisionamento energético e também a estabilidade do mercado financeiro. Por isso, também sou muito crítico em relação a esta proposta de um ponto de vista diferente do de alguns dos meus colegas", afirma Rob Jetten, Ministro do Clima e da Política Energética dos Países Baixos.

As divergências afectaram também duas outras legislações cruciais que deveriam ser adoptadas esta quinta-feira, a saber, o mecanismo comum de compra de gás e o mecanismo de solidariedade entre os estados-membros. 

Apesar de terem sido acordados informalmente, alguns estados-membros não querem dar luz verde a não ser que venha acompanhado por um novo limite de preço para o gás.