Última hora

Última hora

Controlo da qualidade do ar, um desafio essencial para a saúde humana

Em leitura:

Controlo da qualidade do ar, um desafio essencial para a saúde humana

Controlo da qualidade do ar, um desafio essencial para a saúde humana
Tamanho do texto Aa Aa

A poluição atmosférica é responsável por cerca de meio milhão de mortes prematuras por ano na Europa, algo que pode surpreender as pessoas. China e Índia são as regiões do globo mais associadas com este tipo de problemas. No entanto, de acordo com as estatísticas oficiais da Agência Europeia do Ambiente (EEA, sigla em inglês), devemos preocupar-nos com o que se passa no velho continente. Só em 2014, 534,471 mortes prematuras em 41 países europeus ficaram a dever-se à poluição do ar.

O tráfego de veículo é responsável por grande parte da poluição da atmosfera. Os fumos tóxicos transportam pequenas partículas capazes de entrar nos pulmões. No entanto, os fumos das grandes fábricas e mesmo das residências particulares também contribuem, de forma significativa, para a poluição do ar na Europa. As mortes prematuras custaram, aos vários países Europeus, cerca de 1,3 biliões de euros, de acordo com o primeiro estudo realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2010. Um valor quase equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia em 2013.

E se os índices de poluição melhoraram relativamente, a verdade é que cerca de 85% dos residentes das grandes cidades europeias continuam expostos a níveis de partículas tóxicas, presentes na atmosfera, superiores ao que é considerado seguro pela OMS, diz a EEA.

“Como sociedade, não não devemos aceitar o custo associado à poluição atmosférica,” defende o diretor executivo da EEA, Hans Bruyninckx. “É encorajador saber como os Governos de vários países, mas também os órgãos de gestão de várias cidades têm tomado medidas no sentido de proteger a qualidade do ar que é respirado pelas pessoas.”

Nunca foi tão importante controlar a qualidade do ar e os níveis de poluição, de forma a partilhar informação, essencial para que sejam tomadas as decisões corretas. O programa Copernicus da União Europeia para a observação da Terra trabalha com as autoridades de diferentes países para fornecer informações atualizadas relativamente à poluição do ar, para que sejam encontradas as soluções adequadas, mas diferentes regiões, para casos de emergência.

Os países europeus podem fazer muito para limitar os níveis de poluição nas diferentes cidades. "Durante muito tempo, a qualidade do ar era um tipo de informação apenas acessível aos especialistas," explica Vincent-Henri Peuch, diretor do Serviço de Controlo da Atmosfera do Programa Copernicus.

"O Serviço de Controlo da Atmosfera do Programa Copernicus fornece dados e análise para as autoridades nacionais e locais ficarem a par de tudo o que é importante, tendo em conta todo um contexto Europeu e as consequências a médio e longo prazo da poluição causada pelos transportes."

As autoridades das cidades europeias sabem que é importante controlar a qualidade do ar. Foram criadas redes que controlam os níveis da presença de agentes poluentes. Cada vez mais, a informação e a previsão do estado do ar encontra-se disponível nas diferentes cidades e os cidadãos são agora informados em casos de emergência.

Existe, por exemplo, em Londres, o AirTextService. Em Riga, há uma aplicação para telemóveis que alerta todos os utilizadores registados de picos de poluição. É assim possível tomar ações preventivas e evitar, se possível, a exposição em zonas contaminadas. Aplicações e dispositivos como os que existem em Londres e em Riga compilam informações fornecidas pelo Programa Copernicus a nível regional e informações oriundas de fontes regionais. "É um bom exemplo dos nossos objetivos: O Serviço de Controlo de Qualidade da Atmosfera ajuda a conceber sistemas para manter as pessoas informadas sobre a qualidade do ar que respiram," explica Vincent-Henri Peuch.

Para que o grande público seja consciente do problema, o Programa Copernicus juntou forças com a Euronews em 2017. Foi lançado um formato de 60 segundos com informação acerca da qualidade do ar no continente europeu. O programa é lançado na Euronews, em 10 edições (português, espanhol, francês, inglês, alemão, italiano, turco, russo, húngaro e grego). O segmento conta com um mapa produzido pelo Centro de Controlo da Atmosfera do Programa Copernicus (CAMS), que mostra a qualidade do ar nos principais países europeus. É mostrado um índice de um a cinco (de muito bom a muito mau).

O programa já foi visto por 10 milhões de pessoas desde o lançamento nos 10 canais da Euronews e pode ainda ser visto a qualquer momento no site pt.euronews.com (no caso da edição em língua portuguesa), secção da previsão do tempo, neste caso, também em árabe e em farsi (persa).

O líder do Centro para o Controlo da Qualidade da Atmosfera do Programa Copernicus refere que as pessoas estão habituadas às previsões do tempo. Mas no caso da previsão da qualidade do ar, as coisas são diferentes:

"No caso, do tempo, não podemos fazer nada quanto à sua evolução, mas podemos tomar medidas para melhorar a qualidade do ar. As pessoas podem escolher, por exemplo, utilizar os meios de transporte públicos e reduzir assim o número de carros nas ruas. As autoridades, por outro lado podem tomar medidas para cortar as emissões de certos poluentes para apaziguar casos em que a poluição seja mais grave."

Enquanto a poluição do ar é ainda um problema preocupante na Europa, a crescente preocupação e as medidas para melhorar a situação dá-nos uma perspetiva de futuro encorajadora. É um setor que tem vindo a desenvolver-se progressivamente, com novas aplicações a surgir no mercado todos os dias, em diferentes regiões e cidades de países europeus.

Na Bélgica, a Vito desenvolveu uma forma de medir a qualidade do ar que ajuda os peritos em planeamento urbano. Na Lituânia, foi criada uma ferramenta de previsão do tempo muito inovadora, que permite detetar sintomas de alergia. Na Alemanha, a consultora Heich usa dados do Programa Copernicus para desenvolver uma aplicação que informa as pessoas sobre a qualidade do ar em diferentes cidades. O serviço mistura informação de última hora com dados mais antigos e apoia-se em várias fontes para dar informações aos utilizadores.

Este verão, na Grécia, o Programa DiscoVair vai fornecer informação integrada sobre o estado do tempo, o nível dos raios ultravioletas e qualidade do ar para os turistas.

Todas estas iniciativas são realmente importantes, mas falta muito por fazer. Combinar os esforços do controlo de serviços a nível local e os dados conseguidos a nível global, de serviços como o Programa Copernicus, tem sido algo realmente positivo. É importante ajudar os agentes envolvidos na aplicação de políticas públicas com ferramentas que permitam chegar a medidas para melhorar a qualidade do ar no futuro.