Última hora
This content is not available in your region

SEVILHA, Ponto de Partida para o Novo Mundo

SEVILHA, Ponto de Partida para o Novo Mundo
Direitos de autor  Turismo Andaluz
Tamanho do texto Aa Aa
Para conhecer Sevilha e as muitas outras belezas da região, a Andaluzia oferece aos viajantes não residentes um seguro Covid gratuito para estadias em qualquer tipo de estabelecimento regulado entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2021.

Desde as suas origens mais remotas que a cidade de Sevilha é um local de encontro e fusão. Ali, terra e água são unas e o rio que emana da mais profunda Bética, o antigo nome latino da região do Guadalquivir, junta-se ao "Mar Oceano". Na Andaluzia, gente de ambas as costas mediterrânicas forjou o maior caldeirão de cultura conhecido até à data, e Sevilha, tal como a sua vizinha Córdova a montante, é um notável símbolo disso. Na sua longa história, a cidade foi um porto seguro onde povos de todo o mundo conhecido orientavam os seus sonhos e desejos em direção ao horizonte. Num dos lados, podiam aceder facilmente ao Mediterrâneo, enquanto no outro, seguindo o curso do Guadalquivir, atingiam o Atlântico.

Em tempos, Sevilha foi o leme de alguns dos mais poderosos governos do mundo conhecido. Foi sucessivamente conhecida como uma cidade romana, árabe, andaluza, renascentista, barroca, latino-americana e mariana, tendo a sua história e tradições influenciado habitantes e visitantes. A sua cultura mercantil, assente no desenvolvimento das suas docas, imprimiu um ritmo frenético sobre toda a Europa Ocidental. Mercadores e marinheiros de todo o mundo lá aportavam. Durante o seu auge comercial, a cidade era um centro fervilhante de ideias, expressas em qualquer idioma, rodeado de aromas e sabores requintados de todo o mundo.

© Turismo Andaluz

Este feito é ainda visível nos edifícios que a História nos deixou para apreciarmos. O mais proeminente de todos, o grupo formado pela Catedral, o Alcázar e os Arquivos das Índias de Sevilha, foi reconhecido como Património Mundial pela UNESCO.

Tal como muitos outros monumentos andaluzes, a Catedral é o resultado da singular mescla de culturas da região e de inúmeras alterações. Construída em 1401 sobre uma grande mesquita ao estilo almóada, manteve o Pátio de los Naranjos (Pátio das Laranjeiras) do antigo edifício e o minarete, que podem ser admirados ainda hoje. No topo do minarete de La Giralda, ergue-se o famoso Giraldillo, um cata-ventos em forma de mulher que é provavelmente o mais conhecido símbolo da cidade. A dimensão da Catedral, um dos maiores templos góticos da Europa com as suas cinco naves e 25 capelas, juntamente com a grandeza do seu interior, tornam-na uma paragem incontornável em Sevilha. O local alberga também obras de arte de alguns dos mais famosos pintores espanhóis.

© Turismo Andaluz

No coração da cidade, podemos também encontrar o Alcázar Real, um dos mais antigos palácios ainda em uso do mundo. Tal como a Catedral, evoluiu ao longo do tempo, desde o final do século XI. Os governantes e as famílias reais que habitaram o palácio deixaram sucessivamente as suas marcas na sua arquitetura. O Patio de las Doncellas (donzelas), com os seus bonitos plintos revestidos a mosaico, é um dos seus pátios mais famosos. Outro é o Patio de las Muñecas, ou Pátio das Bonecas, onde podemos encontrar uma fascinante série de colunas e capitéis. Com tão singulares locais, o palácio é agora um testemunho majestoso da coexistência cultural do Ocidente e do Oriente, conhecido em arquitetura como “arte mudéjar”.

A Catedral e o Alcázar são exemplos da importância crucial das religiões e da realeza na longa história de Sevilha. No entanto, outro poder, o dos mercadores, desempenhou um papel formidável no seu desenvolvimento. Tal como a UNESCO reconheceu, o Arquivo das Índias é o derradeiro símbolo dessa influência. Construído durante o reinado de Filipe II e concluído em 1646, foi inicialmente um centro para mercadores, tendo rapidamente sido convertido no repositório de todos os documentos sobre as possessões ultramarinas espanholas entre os séculos XV e XVI. Construído em pedra em torno de um pátio central, o edifício possui quatro naves quadrangulares com pavimentos com arcadas ligados por uma escadaria monumental. Embora o esplendor do edifício seja, por si só, um motivo para visitar o Arquivo, este constitui também uma fonte de documentação de valor incalculável sobre a descoberta e a conquista do Novo Mundo.

© Turismo Andaluz

Hoje, Sevilha continua a ser uma cidade moderna, dinâmica e criativa. Para a apreciar em toda a sua plenitude, deve ser visitada devagar, quase em silêncio. A sua atmosfera, acolhedora e poética, cativa e envolve os viajantes com um manto de magia, aromas, beleza e sensações. Este é também o local perfeito para apreciar a gastronomia e as tradições andaluzas numa das suas numerosas tabernas e festivais. Como não podia deixar de ser, os interiores da cidade são uma maravilha para explorar. No entanto, em Sevilha, acima de tudo, é possível desfrutar da rua mais do que em qualquer lugar.